RESISTENCIA (SAO PAULO)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RESISTÊNCIA (São Paulo)
Nome Completo: RESISTENCIA (SAO PAULO)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
RESISTÊNCIA (SÃO PAULO)

RESISTÊNCIA (São Paulo)

 

Jornal paulista clandestino que circulou durante o ano de 1944.

Em pleno Estado Novo e no período da Segunda Guerra Mundial, pipocaram no Brasil, especialmente em São Paulo, diversos jornais clandestinos. Segundo Freitas Nobre, “surgiu em nosso estado uma variada imprensa clandestina, orientada por professores da Universidade de São Paulo e universitários, especialmente da Faculdade de Direito, e distribuída por todo o país”. Resistência foi publicado a partir de abril de 1934 e, curiosamente, era impresso numa tipografia de japoneses. Sua linha editorial combatia veementemente o governo getulista estado-novista, o seu caráter de extremo autoritarismo e a censura à imprensa, bem como as interpretações governamentais acerca da origem da legislação social e trabalhista, identificada pelos órgãos oficiais de imprensa como sendo um gesto “bondoso” do governo.

Essa linha editorial foi bem elucidada pela edição nº 4 de agosto de 1944, que apresentava o artigo “Proletariado brasileiro”, onde era denunciada a verdadeira natureza política dos sindicatos (“O operário sabe de muita coisa, sabe que quem não é por ele é contra ele... O proletário urbano sabe que os sindicatos são ninhos de exploradores espertalhões”). Nessa mesma página, o artigo “Getúlio Vargas versus democracia” comentava o discurso de 1º de maio proferido pelo chefe da nação, em São Paulo, nos seguintes termos: “E, diante de uma falsificação tão completa de fatos históricos recentes, a opinião pública se dividiu, uns achando graça, outros desaforo... Mas há o Resistência, que é um jornal livre e que pode impor a verdade. E a verdade é muito diferente daquilo que se proclamou no discurso de 1º de maio... Quando o governo diz aos operários que a legislação social no Brasil foi um presente de mão beijada que Getúlio Vargas fez ao povo, ele mente. A legislação social entre nós foi uma conquista dura da classe operária, apoiada por democratas progressistas, através de lutas, greves, sofrimentos e prisões.”

Menor não era a arremetida contra a censura à imprensa brasileira. Prova disso era o artigo “Triste paralelo”, onde se lia: “Entre os jornais franceses clandestinos que sustentam, na linha de frente da resistência, o entusiasmo e a consciência populares, cuja leitura é das coisas mais comoventes destes dias de tormenta... e pensar imediatamente nas condições da imprensa no Brasil e fazer uma meditação amarga sobre nosso país.”

Não se conseguiu precisar quando o jornal deixou de circular. A dificuldade era natural, diante da sua condição de órgão clandestino, que como tantos outros enfrentava toda sorte de dificuldades impostas pelo Departamento Estadual de Informações, subordinado ao Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP).

Amélia Cohn/Sedi Hirano

colaboração especial

 

 

FONTES: AMARAL, L. Jornalismo; FREITAS, N. História: SODRÉ, N. História.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados