UNIAO DOS TRABALHADORES INTELECTUAIS

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: UNIAO DOS TRABALHADORES INTELECTUAIS
Nome Completo: UNIAO DOS TRABALHADORES INTELECTUAIS

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
UNIAO DOS TRABALHADORES INTELECTUAIS

UNIAO DOS TRABALHADORES INTELECTUAIS

 

Organização fundada em 20 de março de 1945 no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, na sede da Associação Brasileira de Imprensa, com o objetivo de “congregar todos aqueles que trabalham em quaisquer dos ramos da atividade intelectual (escritores, cientistas, profissionais liberais, professores, estudantes, jornalistas, músicos, artistas plásticos, homens de teatro, cinema e rádio, redatores de publicidade, técnicos de administração etc.) para uma participação ativa na campanha de democratização do país”.

Declarando-se de acordo com “a afirmação democrática do I Congresso Brasileiro de Escritores”, realizado em São Paulo em janeiro de 1945, a União dos Trabalhadores Intelectuais (UTI), entre outros pontos, pregava o repúdio à Constituição corporativista de 1937, o julgamento das atividades do Estado Novo que atentavam contra a nação, a restauração e a defesa das liberdades públicas e individuais, a anistia ampla e irrestrita, a implantação de um regime democrático emanado de uma Constituinte eleita pelo sufrágio universal direto e secreto, o combate à carestia, à especulação e à inflação, a revisão do sistema agrário e industrial do país, com o aproveitamento dos recursos naturais, o desenvolvimento do mercado interno e o aumento do poder aquisitivo das massas trabalhadoras. Eram também defendidos o apoio à Força Expedicionária Brasileira (FEB), a intensificação do esforço de guerra do Brasil contra o fascismo internacional e, ainda, o estabelecimento de relações diplomáticas com a União Soviética.

Por outro lado, a organização manifestou seu apoio à candidatura do brigadeiro Eduardo Gomes às eleições presidenciais previstas pelo Ato Adicional de 28 de fevereiro, pois o candidato se propunha a instaurar no país “um regime no qual se [tornaria] possível a aplicação e a fiscalização das medidas pleiteadas” no programa da UTI.

A UTI concedeu prioridade absoluta à campanha pró-anistia, defendendo a libertação de Luís Carlos Prestes, secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro, então Partido Comunista do Brasil (PCB). Defendeu também a concessão de uma licença para que os dirigentes liberais no exílio, Armando de Sales Oliveira e Otávio Mangabeira, retornassem ao país.

 

 

FONTE: UNIÃO DOS TRABALHADORES INTELECTUAIS. Programa.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados