VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONARIA (VPR)

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONÁRIA (VPR)
Nome Completo: VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONARIA (VPR)

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONÁRIA (VPR)

VANGUARDA POPULAR REVOLUCIONÁRIA (VPR)

 

Organização político-militar criada em 1968 por dissidentes da Política Operária (Polop) e ex-integrantes do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), em sua maioria estudantes e ex-militares. Seu objetivo era lutar contra o regime militar instalado no Brasil em abril de 1964, após a derrubada do governo constitucional de João Goulart. Seu principal líder foi o capitão Carlos Lamarca.

A VPR se organizou a partir do desmantelamento da chamada Guerrilha de Caparaó, conduzida pelo MNR, e como resultado do trabalho desenvolvido junto aos sindicatos operários paulistas durante a greve dos metalúrgicos de Osasco em 1968. Além do trabalho sindical, a VPR desenvolveu ações militares, sendo que uma das mais espetaculares foi aquela em que o capitão do Exército Carlos Lamarca, em janeiro de 1969, passou para a clandestinidade levando 63 fuzis FAL e dez metralhadoras Ina e munição do quartel do 4º Regimento de Infantaria, em Quitaúna, São Paulo.

Os militantes da VPR formalmente se organizavam em células de três elementos que não tinham comunicação umas com as outras. De cada célula saía um membro para um escalão superior, também integrado por três pessoas. Essa célula de nível superior destacava um elemento para integrar uma outra de nível mais alto, também composta de três elementos. Esse tipo de organização na prática nem sempre se apresentava dessa forma. A VPR, como todas as organizações guerrilheiras, se reunia em apartamentos e casas de bairros de classes alta e média, ludibriando assim as buscas da polícia.

A organização sofreu crises internas determinadas pela discordância quanto à orientação dada pelo setor militar da VPR. Este setor considerava as ações armadas como o principal método de luta, já que via como fundamental, na organização política das massas, os grupos de vanguarda. O setor intelectual era defensor de um trabalho inicial de conscientização lenta e gradual das massas e contrário à visão vanguardista. As divergências internas determinaram a fusão, em 1969, da VPR com o Comando de Libertação Nacional (Colina), quando o movimento passou a se denominar Vanguarda Armada Revolucionária-Palmares (VAR-Palmares).

Nessa segunda fase a organização destacou-se por suas ações armadas, como assaltos a bancos para a obtenção de recursos financeiros e participação no seqüestro do embaixador alemão Ehrenfried von Hollenben. O seqüestro foi realizado em junho de 1970 numa ação conjunta com a Ação de Libertação Nacional (ALN) e o embaixador teve sua libertação trocada pela soltura de 40 presos políticos.

Ainda em outubro de 1969 a VPR iniciara o treinamento de grupos de guerrilheiros no vale da Ribeira, em São Paulo, sob a liderança do capitão Lamarca. Em março de 1970 foram presos alguns dirigentes paulistas da organização, o que levou a polícia a localizar e desmantelar o grupo guerrilheiro da Ribeira.

Ao mesmo tempo em que aumentava a ação dos grupos de guerrilha, aperfeiçoava-se e intensificava-se a repressão policial-militar que, a partir de 1970, foi liquidando todos os grupos de ação armada. Por outro lado, o enfraquecimento desses grupos facilitou a infiltração de agentes policiais entre as organizações revolucionárias. Segundo o jornal Em Tempo, a VPR sofreu a ação de agentes como José Anselmo dos Santos, o “cabo” Anselmo, figura que se projetara no período imediatamente anterior ao movimento militar de março de 1964 como presidente da Associação dos Marinheiros e Fuzileiros Navais. O “cabo” Anselmo liderou a rebelião dos marinheiros de 25 de março de 1964, foi preso após o movimento militar de março de 1964 e algum tempo depois de sua fuga da prisão viajou para Cuba, para participar da reunião da Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS) realizada em agosto de 1967. Durante essa reunião, na qual foi aprovado o desencadeamento da luta armada nos países da América Latina, o “cabo” Anselmo se apresentou como representante do MNR. Ele permaneceu em Cuba para receber treinamento de guerrilha e aí se ligou a Aluísio Palhano, ao ex-sargento Onofre Pinto (um dos dirigentes do MNR), a Edson Quaresma e Evaldo Luís Ferreira de Sousa. Todo esse grupo voltou ao Brasil em 1970 para integrar a VPR. Alguns meses depois, Anselmo assumiu a direção regional da VPR em São Paulo. O jornal Em Tempo atribui à ação de Anselmo a responsabilidade pela prisão e morte de mais de 20 militantes da VPR. Foi nesse momento que os guerrilheiros começaram a desconfiar da posição de Anselmo. Também foi acusado de ter-se passado para o lado dos órgãos de segurança o ex-sargento Onofre Pinto.

Em 1971 o capitão Lamarca rompeu com a VPR, pois passara a negar a teoria do “foco” revolucionário, aderindo à concepção de guerra popular prolongada, o que o levou a se aproximar a partir de março do Movimento Revolucionário 8 de outubro (MR-8). O afastamento de Lamarca da VPR se ligava também às críticas que vinha sofrendo dentro da organização, que o acusava de “personalista”, atitude não condizente com a de um militante guerrilheiro.

Em 18 de setembro de 1971 o capitão Lamarca foi morto pela polícia no município de Ipupiara, na Bahia.

Durante o ano de 1972 a VPR atuou sob o comando do “cabo” Anselmo, que fora designado para Recife a fim de organizar um foco guerrilheiro. Nessa ocasião já eram grandes as suspeitas, entre os integrantes do grupo, de que Anselmo era um agente policial. Foram enviadas do Chile, onde se encontrava um grupo de exilados, informações sobre a situação de Anselmo. Logo em seguida desencadeou-se severa repressão sobre o grupo de Recife, sendo que seis elementos foram mortos e, segundo a polícia, apenas um escapou. O levantamento de informações feito pelo jornalista Marco Aurélio Borba sobre o “cabo” Anselmo indica que ele foi o único sobrevivente desse grupo de Recife.

A VPR praticamente desapareceu após 1973.

Alzira Alves de Abreu

 

 

FONTES: BORBA, M. Cabo; Em Tempo (16 a 22/8/79); Veja (22/9/71).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados