VICE-REINADO DO NORTE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: VICE-REINADO DO NORTE
Nome Completo: VICE-REINADO DO NORTE

Tipo: TEMATICO


Texto Completo:
VICE-REINADO DO NORTE

VICE-REINADO DO NORTE

 

Denominação com a qual se tornou conhecida a Delegacia Militar do Norte, instituída por decreto “reservado” de 12 de dezembro de 1930 com o objetivo de fazer valer nos estados do Norte e do Nordeste os princípios da Revolução de 1930. Foi extinta em 22 de dezembro de 1931.

Vitoriosa a Revolução de 1930, o Norte e o Nordeste passaram a ocupar um novo espaço no jogo político nacional. Tendo contribuído efetivamente para a vitória militar do movimento revolucionário e permanecendo um reduto do tenentismo, a região foi logo considerada uma aliada natural do Governo Provisório chefiado por Getúlio Vargas.

Entretanto, o trabalho de consolidação dos “princípios revolucionários” ainda estava por ser feito. Para melhor articular sua ação com a dos interventores federais nos estados da área, ainda no final de 1930 Vargas decidiu instituir a Delegacia Militar do Norte, nomeando Juarez Távora “delegado militar do Governo Provisório e seu representante nos estados do Norte”. O que era chamado de Norte compreendia na verdade as regiões Norte e Nordeste, desde o Amazonas até a Bahia.

Líder incontestável em todo o Nordeste, Juarez Távora se encarregaria de colocar o chefe do governo a par dos problemas e necessidades locais, percorrendo constantemente os diferentes estados em companhia do tenente Agildo Barata, nomeado seu secretário e único auxiliar.

A criação da delegacia militar foi recebida pela imprensa sulista como um reconhecimento do poder tenentista. O novo órgão foi logo apelidado de “Vice-Reinado do Norte”, cabendo a Juarez Távora o título de “vice-rei”.

No ano de 1931, dos 11 interventores ligados à delegacia, apena dois — Carlos de Lima Cavalcanti, de Pernambuco, e Antenor Navarro, da Paraíba — não eram militares. Esse fato fez com que pouco a pouco se acirrassem os conflitos entre as interventorias e os políticos representantes das oligarquias locais, que se sentiam alijados do poder.

Por outro lado, em fins de outubro de 1931, o Governo Provisório promulgou o Decreto nº 20.348 instituindo os conselhos consultivos, órgãos estaduais destinados a assessorar os interventores e os prefeitos e a estabelecer normas uniformes para as administrações estaduais e municipais. Segundo o próprio Juarez Távora, os conselhos tornaram dispensável sua intermediação junto aos interventores, levando-o a pedir sua exoneração do cargo de delegado militar.

Vargas aceitou os argumentos de Juarez, mas solicitou-lhe que realizasse uma última viagem de inspeção. Mesmo extinto o “Vice-Reinado do Norte”, Juarez realizou a viagem e em 20 de abril de 1932 apresentou um relatório ao chefe do governo analisando os problemas econômicos, financeiros, administrativos e políticos da região.

 

 

FONTES: BARATA, A. Vida; PANDOLFI, D. Trajetória; TÁVORA, J. Vida.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados