Afonso Arinos III

Entrevista

Afonso Arinos III

Entrevista realizada no contexto da pesquisa "Trajetória e desempenho das elites políticas brasileiras", parte integrante do projeto institucional do Setor de História Oral do CPDOC, em vigência desde sua criação em 1975. A esposa do entrevistado, d. Anah, esteve presente em algumas sessões. A entrevista foi editada e publicada na primeira parte do livro O INTELECTUAL e o político: encontros com Afonso Arinos. Brasília, Senado Federal, Dom Quixote; Rio de Janeiro, CPDOC/FGV, 1983. Trechos da entrevista podem ser encontrados no livro GETÚLIO: uma história oral. / Valentina da Rocha Lima (Coordenação); Dora Rocha...[et al]. Rio de Janeiro: Record, 1986. 321. il. A entrevista foi também utilizada nos livros Jango: as múltiplas faces/ Angela de Castro Gomes, Jorge Ferreira. - Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. 272p.:il. e ENTRE-VISTAS: abordagens e usos da história oral. / Marieta de Moraes Ferreira (Coordenação); Alzira Alves de Abreu... [et al]. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getulio Vargas, 1998. 316p. il. Este livro possui apenas trechos de algumas entrevistas e está disponível para download: clique aqui. A escolha do entrevistado se justificou por sua trajetória como político da UDN e importante intelectual.
Forma de Consulta:
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: O INTELECTUAL e o político: encontros com Afonso Arinos / Org. Aspásia Camargo, Maria Clara Mariani, Maria Tereza Teixeira. Brasília: Senado Federal/Dom Quixote; Rio de Janeiro: CPDOC/Fundação Getulio Vargas, 1983. 460p. il. (Brasil-memória política; v.2) GETÚLIO: uma história oral. / Valentina da Rocha Lima (Coordenação) ; Dora Rocha...[et al]. Rio de Janeiro: Record, 1986. 321. il. Jango: as múltiplas faces/ Angela de Castro Gomes, Jorge Ferreira. - Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. 272p.:il.

Tipo de entrevista: História de vida
Entrevistador(es):
Aspásia Alcântara de Camargo
Maria Clara Mariani
Data: 17/11/1982 a 25/10/1983
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 25h15min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Afonso Arinos de Mello Franco
Nascimento: 27/11/1905; Belo Horizonte; MG; Brasil;

Falecimento: 28/8/1990; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Diplomado pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro (1927).
Atividade: Jornalista; advogado; professor universitário; signatário do Manifesto dos Mineiros (1943); membro fundador da União Democrática Nacional (UDN); deputado federal (MG,1947-1959); senador (DF,1959-1961; Gb, 1961-1962; RJ, 1987-1990); ministro das relações exteriores (1961/1962); diretor do Instituto de Direito Público e Ciência Política (indipo) da Fundação Getúlio Vargas (1980); presidente da comissão provisória de estudos constitucionais (1985); senador constituinte (1987-1988).

Equipe

Levantamento de dados: Aspásia Alcântara de Camargo;Maria Clara Mariani;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Aspásia Alcântara de Camargo;Maria Clara Mariani;

Transcrição:  ;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;  ; Não há informação;

Sumário: Verena Alberti;

Temas

Afonso Arinos de Melo Franco;
Afrânio de Melo Franco;
Alceu Amoroso Lima;
Antônio Carlos Ribeiro de Andrada;
Atuação parlamentar;
Benedito Valadares;
Borges de Medeiros;
Brasília;
Campos Sales;
Carlos Lacerda;
Colégio Pedro II;
Comunismo;
Congresso Nacional;
Conspirações;
Constituição federal (1891);
Constituição federal (1967);
Constituições;
Costa e Silva;
Crise de 1954;
Crise de 1961;
Direito;
Eduardo Gomes;
Eleições;
Elites;
Fidel Castro;
Getúlio Vargas;
Golpe de 1964;
Governo Getúlio Vargas (1951-1954);
Governo Jânio Quadros (1961);
Governos militares (1964-1985);
História;
Humberto de Alencar Castelo Branco;
Igreja Católica;
Império;
Jânio Quadros;
João Batista de Oliveira Figueiredo;
Juscelino Kubitschek;
Leonel Brizola;
Liberalismo;
Literatura;
Luiz Inácio Lula da Silva;
Márcio Moreira Alves;
Minas Gerais;
Ministério das Relações Exteriores;
Modernismo;
Olegário Maciel;
Ordem dos Advogados do Brasil;
Organização das Nações Unidas;
Parlamentarismo;
Partido Democrático Social - PDS;
Partido Social Democrático - PSD;
Pedro Ernesto;
Pinheiro Machado;
Plebiscito;
Política estadual;
Política externa;
Prudente de Morais Neto;
Regimes políticos;
Revolução de 1930;
Rodrigues Alves;
Rui Barbosa;
San Tiago Dantas;
Tancredo de Almeida Neves;
União Democrática Nacional;
Virgílio de Melo Franco;
Voto distrital;

Sumário

1ª Entrevista: 17.11.1982
Fita 1-A: A entrada na política: influência do irmão Virgílio e tradição política da família; importância da oratória para a política e estilo do entrevistado na tribuna parlamentar; diferença entre informação e conhecimento; posição do entrevistado em relação a fatos; comentário sobre o PMDB nesse contexto; o tema "reforma da Constituição"; comentário sobre escola técnica de direito; função do direito e o conceito de "surgências";

Fita 1-B: Questionário feito pela Fundação Getúlio Vargas e coordenado pelo entrevistado à época da realização da entrevista; liberalismo de Rousseau; formação histórica do Brasil; o liberalismo da UDN e as divisões internas do partido; perfil de Aliomar Baleeiro e Ernani Sátiro; discurso do entrevistado em 1954 pedindo a renúncia de Getúlio Vargas; Getúlio na história do país e seu perfil.

Fita 2-A: Perfil de Getúlio (continuação); contatos do entrevistado com Getúlio; comentários sobre Pinheiro Machado, Borges de Medeiros e Getúlio; a UDN pós-64 e perfil de Milton Campos; perfil de Adauto Lúcio Cardoso; atuação política do entrevistado pós-64 e repercussão, no regime militar, de sua política externa à frente da pasta das Relações Exteriores no governo Jânio Quadros; reação do presidente Castelo Branco à tentativa de cassação do entrevistado; postura adversa à eleição indireta de Costa e Silva para a Presidência da República; perfil de Adauto Lúcio Cardoso; contatos do entrevistado com Costa e Silva e João Figueiredo;

Fita 2-B: Contato com Figueiredo (continuação); reação da UDN à política externa durante sua atuação como ministro das Relações Exteriores;


2ª Entrevista: 22.11.1982
Fita 2-B: O lançamento do livro Amor a Roma, de autoria de Afonso Arinos;

Fita 3-A: Ligação do entrevistado com o Estado desde a infância; a questão Estado-sociedade; definição e exemplo do conceito de "surgências"; a questão de uma nova Constituição no Brasil à época da entrevista e discussão sobre constituições já existentes; afastamento da política e a preferência pela literatura; o papel da mulher e sua relação com o texto constitucional; princípios gerais na elaboração de uma constituição;

Fita 3-B: Rui Barbosa e a Constituição de 1891; necessidade de elaboração de uma constituição durável e a incorporação de princípios gerais à constituição; o questionário realizado na FGV sob a coordenação do entrevistado; o poder legislativo no Brasil à época da entrevista; as eleições de novembro de 1982 e a força dos governadores; definição de política de Benedeto Croce; relação entre Parlamento e Executivo; defesa do parlamentarismo;

Fita 4-A: A campanha eleitoral no estado do Rio (1982) e os efeitos da vitória de Brizola; voto distrital e eleição em dois turnos; quadro partidário no Brasil e comparação com os EUA; comentário sobre Lula; opinião sobre os EUA e os norte-americanos; projeto de instalação de uma assembléia constituinte à época da entrevista; projeto constituinte da OAB; o PDS na questão da constituinte; o questionário da FGV; balanço das constituintes brasileiras desde o Império; Capanema e a crise do marechal Lott; Cordeiro de Farias e sua entrevista publicada pelo CPDOC; o PDS e a adesão do entrevistado ao partido; perfil de Olavo Setúbal; tradição liberal da família do entrevistado; comparação entre Império e República.

Fita 4-B: Comparação entre os sistemas políticos no Império e na República; a Questão Religiosa; elogios ao governo Rodrigues Alves; Campos Sales; Vicente Souza.


3ª Entrevista: 23.11.1982
Fita 4-B: Papel da tradição familiar na formação do entrevistado; os avós; os irmãos; a mãe; exame para o Colégio Pedro II; relação com o pai; desempenho do entrevistado como aluno; Venceslau Brás; biografia política do avô; tradição liberal da família.

Fita 5-A: O pai, Afrânio de Melo Franco; Olegário Mariano; tradição familiar: literatura engajada em política; atuação política da família; o avô Virgílio e a família; UDN e a inclinação militar; opiniões políticas do avô; relação entre o pai e o avô; entrada do entrevistado na política e influência da família; estilos políticos do pai e do entrevistado e relações entre ambos; criação literária em relação à idade; ainda a família.

Fita 5-B: Relação com Márcio Moreira Alves; a família; o tio Afonso Arinos; posse na Academia Brasileira de Letras; origem do nome Afonso Arinos; professores no Colégio Pedro II; diferença entre o entrevistado e o tio Afonso Arinos; Rodrigo de Melo Franco; Sérgio Buarque; Prudente de Morais Neto; Semana de Arte Moderna; situação econômica da família.

Fita 6-A: Diferença entre Minas e São Paulo; relação entre atividade econômica e movimento artístico em São Paulo; força política de São Paulo à época da entrevista; tradição em "ser senhorio" no Brasil; atuação do entrevistado no Congresso por ocasião da cassação de mandatos comunistas (1948); posição da UDN e de Gustavo Capanema nesse caso; opinião sobre o stalinismo; eleição do entrevistado a presidência da Associação Brasileira dos Escritores e brigas com os comunistas por ocasião da posse; situação econômica do entrevistado à época da entrevista; a família como inspiração para o entrevistado;

Fita 6-B: Família (continuação); participação o irmão Virgílio na Revolução de 1930;


4ª Entrevista: 30.11.1982
Fita 6-B: Relação da família com a religião; força da Igreja no Brasil e relação Igreja-poder; educação religiosa do entrevistado;

Fita 7-A: Ainda vida religiosa na família; afastamento da religião; conferências de Jackson de Figueiredo; Padre Leonel Franca; Augusto Frederico Schmidt; caso ocorrido com Jackson de Figueiredo; João Alphonsus de Guimarães; as conversões sob influência de Jackson de Figueiredo; ligações com Alceu Amoroso Lima; Sobral Pinto; a transferência para o Rio na infância; influências recebidas no Colégio Pedro II; entrada para a Faculdade de Direito (1922); contato com o modernismo; amizade com Prudente de Morais Neto; na Europa em 1924; contatos com escritores: Guilherme de Almeida, Ronald de Carvalho, Manoel Bandeira; contatos com Olegário Maciel e Graça Aranha.

Fita 7-B: Comentários sobre "europeismo", modernistas e "brasilidade"; a experiência na Faculdade de Direito; os colegas da Faculdade de Direito; viagem ao Chile com o pai; problemas de saúde do entrevistado e a viagem à Europa para tratamento; viagem a Roma em 1925.

Fita 8-A: Vida entre as irmãs; leituras do entrevistado; o casamento aos 22 anos; viagem a Roma em 1925; impressão da Liga das Nações (1932) e a participação do Brasil na conferência.


5ª Entrevista: 06.12.1982
Fita 8-A: A questão religiosa na família e a participação da Igreja nas decisões políticas; planejamento urbano de Belo Horizonte; Jackson de Figueiredo; influência de Alceu Amoroso Lima.

Fita 8-B: Alceu; o catolicismo; posições do entrevistado em relação à religião; pressões políticas nos governos Castelo Branco, Costa e Silva e Médici; aproximação com a religião; o concílio do Vaticano II; Dioclécio de Campos.

Fita 9-A: Atitudes diante da vida, da morte e da religião; caracterização do intelectual marxista; contato com os livros na velhice; contato com a política no meio familiar; início da carreira jornalística no Diário de Minas; atuação política do país; envolvimento na política no governo de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, como promotor público do estado de Minas; relações políticas de Antônio Carlos com o pai do entrevistado; ingresso do entrevistado no Diário de Minas como redator; hostilidades sofridas no início da vida profissional; estréia como promotor em Belo Horizonte; ataque ao pai presenciado pelo entrevistado em Minas; primeiros contatos com Assis Chateaubriand.

Fita 9-B: Primeiros contatos com Assis Chateaubriand (continuação); ingresso nos Diários Associados por volta de 1928; episódio ocorrido com Venceslau Brás relatado pelo pai; dificuldades políticas do pai em Minas; entrada no Banco do Brasil (1935); vida profissional no Rio a partir de 1928; o trabalho na consultoria jurídica da Bond * Share; ajuda financeira de Bond * Share à Revolução de 1930; participação do pai na Revolução de 1930; João Neves; baile na casa de Álvaro de Carvalho; posição política do pai e de Antônio Carlos na Revolução de 1930; opinião sobre Washington Luís e sua relação com Antônio Carlos de Andrada; importância do papel das elites para a compreensão do país e o conceito de classe dominante.

Fita 10-A: Papel do personagem político como fator de mudança histórica; Clemenceau; opinião do pai sobre Getúlio; atuação do irmão Virgílio e do entrevistado na Revolução de 1930; perfil de Pedro Ernesto; testemunho do movimento comunista de 1935; perfil de Eduardo Gomes; comportamento político da UDN e papel do entrevistado no partido; atuação de Eduardo Gomes na UDN; vocação da derrota: marca da UDN; a escolha de Olegário Maciel para presidência de Minas.

Fita 10-B: Olegário Maciel; relato pitoresco sobre Antônio Carlos; Olegário Maciel e sua participação na Revolução de 1930; perfil de João Alberto; Osvaldo Aranha; Olegário Maciel; relação da família do entrevistado com Arthur Bernardes; chegada do entrevistado no Rio ao final da Revolução Constitucionalista (1932); atuação do pai e do irmão Virgílio nos antecedentes da Revolução de 1930; trajetória política do irmão Virgílio;


6ª Entrevista: 23.12.1982
Fita 10-B: Chegada ao Rio em 1932; atuação do entrevistado, de seu pai, de Francisco Campos e Antônio Carlos no movimento conspiratório de 1930; antecedentes da Revolução de 1930; João Batista Luzardo; sucessão de Antônio Carlos na presidência de Minas.

Fita 11-A: Escolha de Olegário Maciel para presidência de Minas; situação política da família Melo Franco em Minas; Cristiano Machado; relações do entrevistado com Capanema; relação entre Olegário e Bernardes; transferência para Belo Horizonte; ingresso no Diário de Minas e no Estado de Minas; relação de hostilidade entre Chateaubriand e João Alberto; nomeação de Valadares ao governo de Minas; fundação da Folha de Minas e os problemas do jornal; o trabalho de direção do Estado de Minas e a oposição ao governo Valadares; reações à nomeação de Valadares; comportamento político do irmão Virgílio; tentativa de golpe contra Olegário; parentesco entre a mulher de Capanema e os Dorneles; rivalidades de parentesco com Flores da Cunha; parentesco de Valadares e de Tancredo Neves com os Dorneles; perfil de Flores da Cunha; posição de Osvaldo Aranha na Revolução de 1930 e em relação a Getúlio; perfil de Benedito Valadares.

Fita 11-B: Perfil de Valadares (continuação); diferenças entre os quadros políticos de São Paulo e Minas Gerais; opinião sobre Washington Luís; disputa política entre Antônio Carlos e João Alberto; trajetória do irmão Virgílio na política; posição de Getúlio à entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial; elaboração do Manifesto dos Mineiros (1943); perfil de Magalhães Pinto; Amor a Roma e o projeto de um novo livro; perfil de Carlos Drumond de Andrade.

Fita 12-A: Lançamento de Amor a Roma; leituras do entrevistado à época da entrevista.


7ª Entrevista: 17.01.1983
Fita 12-A: Produção intelectual do entrevistado nos anos 1930; o primeiro livro publicado em 1930; opinião de Pedro Nava sobre a obra do entrevistado; biografias do pai, Afrânio de Melo Franco, e do avô da esposa, Rodrigues Alves; explicação da obra do entrevistado; diferença entre as revoluções de 1930 e 1964; discussões durante a Segunda Guerra Mundial; amizade com Astrojildo Pereira e comportamento político deste; início da carreira como professor universitário (1937); o gosto pelo estudo da história do Brasil; Francisco Barbosa, o historiador; ensaio do entrevistado sobre a história do Banco do Brasil; as indicações do nome do entrevistado e sua entrada para o Instituto Rio Branco, para a Universidade do Distrito Federal e para o Banco do Brasil; saída da Universidade do Distrito Federal (1937); professor de história econômica em Montevideo; curso dado na Sorbonne sobre o índio brasileiro; Congresso Brasileiro de Escritores em São Paulo (1948) e eleição da Associação Brasileira de Escritores; contenda com Álvaro Lins através de artigos; criação da UDN (1945); relato de um encontro com Di Cavalcanti; contatos com comunistas em São Paulo (1945); contatos com Graciliano Ramos; discrição do centro da cidade do Rio por volta de 1928; a livraria Schmidt; Manoel Bandeira; aversão à entrada na política; redação do documento de criação da UDN; a Esquerda Democrática na UDN; perfil de Otávio Mangabeira; o grupo conservador da UDN; a Banda de Música da UDN;

Fita 13-A: Perfil de Aliomar Baleeiro; livro de artigos em homenagem ao entrevistado; perfil de Carlos Lacerda; como secretário do irmão Virgílio na UDN; processo de eleição do entrevistado pela UDN em Minas; como vice-líder da UDN em 1948; Soares Filho; indicação do entrevistado para a Comissão de Justiça da Câmara; contato com Graco Cardoso na Câmara; influência do irmão Virgílio para a entrada na política; morte do pai e do irmão e atuação política do entrevistado; na banca do concurso de livre-docência na Universidade de São Paulo (1945).


8ª Entrevista: 08.02.1983
Fita 13-A: Desinteresse pela militância política; posição dentro da UDN; comparação entre os momentos políticos de 1954 e à época da entrevista.

Fita 13-B: Papel do Congresso à época da entrevista; manobra da anulação da eleição de Getúlio Vargas em 1950; a questão da cédula única oficial; testemunho da conspiração de 1964; repercussão da viagem do entrevistado a Cuba, no governo Jânio Quadros, e visita de Che Guevara ao Brasil; interferência do entrevistado junto a Fidel Castro e condecoração de Che Guevara; tentativa de cassação do entrevistado após 1964; Carlos Lacerda; a volta de Getúlio em 1950;

Fita 14-A: A volta de Getúlio em 1950 (continuação); campanha eleitoral em Minas em 1950; a candidatura Cristiano Machado; discussão sobre os dois governos Vargas; significado do gesto de suicídio de Vargas; atuação da UDN ao final do segundo governo Vargas; o discurso do entrevistado na Câmara pedindo a renúncia de Vargas (13.08.1954); liderança de Carlos Lacerda; avaliação da crise de 1954; opinião sobre a conjuntura político-militar à época da entrevista; o ingresso da Última Hora.

Fita 14-B: Debate sobre a Última Hora (continuação); convite feito ao entrevistado por Danton para visitar Getúlio no palácio; viagem à Venezuela como líder da minoria durante o governo Vargas; as tendências udenistas de conspiração com militares; perfil de Eduardo Gomes; Bilac; contradições internas na UDN; perfil de Raul Fernandes; defesa da tese da maioria absoluta após eleição de Juscelino; resistências, dentro da UDN, ao desempenho do entrevistado como líder do partido; debate sobre José Cândido Ferraz; primeiros dias em Brasília; os grupos dentro da UDN; Adauto e Corção; relação com Capanema na Câmara; Afonso Torres; projeto de impeachment de Getúlio; encontro com Eduardo Gomes em 1955.
Fita 15-A: As candidaturas de Etelvino Lins e de Juarez Távora; anedota sobre Canrobert; comentários sobre Etelvino e Cristiano Machado; cultura do consenso no Brasil; o 11 de novembro de 1955; conversa do entrevistado com Juscelino em Paris após 1964; apoio ao presidencialismo no plebiscito de 1963; debate sobre o plebiscito de 1963 e o 11 de novembro de 1955.


9ª Entrevista: 22.04.1983
Fita 15-A: Conversas políticas à época da entrevista; relações com Tancredo Neves; relação com o PDS e sua filiação ao partido.

Fita 15-B: Filiação ao PDS (continuação); afastamento dos acontecimentos políticos pós-64; diferenças entre poder fechado e poder centralizado; relações entre economia e política; necessidade de reformulações políticas para solução dos débitos dos estados da federação; análise da passagem do Império à República; defesa do parlamentarismo; discussões sobre a instalação de uma assembléia constituinte à época da entrevista; momento de "conversão" ao parlamentarismo.

Fita 16-A: Parlamentarismo no Império; Silveira Martins e o Congresso de Bagé; lembrança do convívio com Pedro Moacir; Raul Pila; emendas parlamentaristas apresentadas pelo entrevistado; empenho no projeto parlamentar após 1954; a crise de 1954; crises presidencialistas e estabilidade do parlamentarismo; Mário Andreazza; o suicídio de Vargas; significado de Getúlio na história do país; livro de Hanah Arendt; avaliação da ocupação francesa durante a Segunda Guerra Mundial; comparação entre os dois governos Vargas; relato de episódio ocorrido com o irmão durante a conspiração da Revolução de 1930 no Sul; livros de Érico Veríssimo e relação com a cultura gaúcha.

Fita 16-B: Perfil de Getúlio Vargas; testemunho de Sadock de Sá sobre a reação ao levante integralista de 1938; Mussolini; ausência de sensibilidade nas épocas violentas de transição; discordância em relação a uma parte da oposição a Getúlio; recusa a convite de Danton para visitar Getúlio; relação com grupos da UDN; o discurso proferido pelo entrevistado pedindo a renúncia de Getúlio; ligação de setores da UDN com militares; rotina do entrevistado; contato com Júlio de Mesquita ao final do governo Vargas; contato com Golberi após 1958 e perfil do mesmo; eleições para sucessão de Figueiredo; eleições indiretas nos EUA e no Brasil; dificuldade de formação de partidos políticos no Brasil à época da entrevista; filiação ao PDS.

Fita 17-A: Relato de debate com Wilson Martins sobre Amor a Roma; indicação do nome de Amaral Neto para candidato a deputado do PDS; recomendação de Wilson Leite Passos; pedido de impeachment do presidente Vargas; histórias sobre ligações de Getúlio com Péron; sucessão de Café Filho.


10ª Entrevista: 13.05.1983 (entrevista com a participação de Zairo Cheibub)
Fita 17-A: Apoio ao nome de Jânio Quadros na convenção da UDN; a candidatura Jânio Quadros; escolha do entrevistado para ministro das Relações Exteriores do governo Jânio; atuação do pai na Liga das Nações.
Fita 17-B: Atuação do pai na Liga das Nações (continuação); opinião sobre a política externa argentina; atuação do pai na reforma administrativa do Itamarati; a questão da Líbia na diplomacia brasileira; a recepção de posse no Ministério das Relações Exteriores; atuação do pai no Itamarati; diferença das especializações em Direito do pai e do entrevistado; atrelamento da vida profissional ao Estado; o conceito de "surgências"; participação na Conferência de Caracas; o convite de Jânio Quadros para o Ministério das Relações Exteriores; papel do Congresso nas questões de política externa; existência de quadros especializados no Congresso.

Fita 18-A: Conversa com parlamentar inglês em visita ao Brasil; convite para uma conferência sobre o parlamentarismo na ESG; conversa com Góis Monteiro sobre o parlamentarismo; perfil do John Foster Dulles; avaliação da oposição ideológica leste-oeste na conferência de Caracas; livro de Dulles e de Kollakovski; Rosa Luxemburgo; Mário Reis; viagem a Cuba com Jânio Quadros; quadros formados no Itamarati; diplomacia brasileira no Império; importância da extensão do território brasileiro; contato com Vasco Leitão da Cunha em Cuba; reações à nomeação do entrevistado para a pasta de Relações Exteriores; ataques à gestão do entrevistado no Itamarati; questão entre João Dantas e Vasco.

Fita 18-B: Conversas com representante húngaro sobre João Dantas; episódio ocorrido entre João Dantas e Vasco Leitão da Cunha; importância do Congresso durante o governo Jânio; a política externa de Jânio Quadros; projeto de carta a Fidel recusado por Jânio; perfil de Jânio; relato de almoço com Jânio; conversa com Pedro Aleixo; livro realizado com A. Houaiss e Francisco Barbosa; o Congresso como problema de Jânio; dificuldade das relações entre as molduras institucionais e o povo, no caso de políticos eleitos; D. Jaime Câmara e a reação à política externa; relação do entrevistado com Lacerda durante o governo Jânio; contribuição do entrevistado na redação da emenda que prorrogou o mandato de Castelo Branco; a condecoração de Che Guevara; o convite de Jânio para o Ministério das Relações Exteriores.

Fita 19-A: Artur Bernardes Filho; ainda o convite para assumir o Ministério; política externa de Jânio; episódio com Adolf Berle: projeto de invasão da baía dos Porcos.


11ª Entrevista: 23.05.1983 (ainda com a participação de Zairo Cheibub)
Fita 19-A: O apresamento do navio português Santa Maria durante a gestão do entrevistado no Ministério das Relações Exteriores; a posse no Ministério das Relações Exteriores; a questão das Guianas ainda durante sua gestão no Ministério das Relações Exteriores; força do Congresso durante o governo Jânio.

Fita 19-B: Discurso de posse na pasta das Relações Exteriores; a política externa brasileira à época da entrevista; contato com Saraiva Guerreiro; importância da política externa no Império; o Barão do Rio Branco; política externa no governo Getúlio; política externa brasileira à época da entrevista e no governo Jânio; a Operação Pan-americana (1961); importância do território brasileiro em políticas internacionais; viagem à África e avaliação das instituições africanas; decisão de abrir a frente de relações com a África no governo Jânio; diferença entre o Brasil e os países da América espanhola; definição de "latinidade"; ainda a decisão de abrir contato com países africanos.
Fita 20-A: Política norte-americana em relação ao Brasil no governo Jânio e à época da entrevista; Conferência dos Países não Alinhados na Iuguslávia; passagem por Senegal em viagem a Portugal; posição brasileira em relação ao colonialismo português no governo Salazar; posição do Brasil no reconhecimento da China na ONU; posição do entrevistado na Conferência de Desarmamento em Genebra (1962); relações EUA-URSS; relação do Brasil com países orientais nos governos Jânio e Juscelino; comparação entre a gestão do entrevistado e de San Tiago na pasta do Exterior; relação com San Tiago; telefonema de Jango após o discurso abrindo a sessão da ONU; discurso do entrevistado na ONU e sua repercussão; perfil de Araújo Castro; necessidade do ministro das Relações Exteriores ser político.


12ª Entrevista: 11.07.1983
Fita 20-B: Prefácio preparado pelo entrevistado para uma coletânea sobre a história diplomática; comparação entre as políticas externas do Império e da República; o Brasil no tempo de Rodrigues Alves; Visconde de Cabo Frio; Rui Barbosa; Conferência de Haia; a questão da representação brasileira na Conferência de Versailles; conferência de Buenos Aires (1916); primeira missão internacional do pai do entrevistado (1917); passagem e atuação de Epitácio Pessoa na conferência de La Paz; a doutrina Monroe.

Fita 21-A: O conceito de direito, o filme Danton e o direito natural; comportamento político na República Velha; argumento a favor da existência da elite; Alceu Amoroso Lima; definição de elite; falta de consciência jurídica na sociedade brasileira; diferença entre normas legais e normas jurídicas; situação do país à época da entrevista; a condecoração de Che Guevara; o encaminhamento da solução parlamentarista (1961).

Fita 21-B: Encaminhamento da solução parlamentarista (continuação); combates ao parlamentarismo por Jango, Juscelino, Magalhães Pinto; encontro com Juscelino em Paris após 64; o plebiscito de 1963; retorno de viagem ao exterior à época do gabinete parlamentarista de Brochado da Rocha; perfil de Brochado da Rocha; ataques ao entrevistado durante sua gestão no Ministério das Relações Exteriores; telegrama de apoio enviado por Jango; atuação do Brasil na política externa; tradição das posições políticas do pai nas relações internacionais; anedota sobre discurso de Saraiva Guerreiro.


13ª Entrevista: 24.08.1983
Fita 22-A: Antecedentes do movimento militar de 1964; indicação do nome de San Tiago para as Nações Unidas; contato com Jango para que o entrevistado aceitasse a indicação para as Nações Unidas; pedido de demissão do cargo junto às Nações Unidas em 1963; acompanhamento da conspiração de 1964 no Senado; relações com Magalhães Pinto; convite de Magalhães Pinto para secretário do governo de Minas; movimento conspiratório de 1964 e atuação do entrevistado no mesmo; justificativas do processo revolucionário; críticas às forças que apoiavam o movimento de 1964; o problema da representação; a questão do filme Danton; processo de estatização no Brasil e domínio da militarização nos países subdesenvolvidos; Economia e sociedade, de Weber, O 18 brumário, de Marx, e o livro de Kolakovski; ataque recebido na Faculdade de Direito à época da entrevista; necessidade de diminuição da estatização no Brasil; diferença entre poder e governo na situação do Brasil; definição de autoridade; avaliação do movimento de 1964.

Fita 22-B: Incompatibilidade da UDN com o desenvolvimento do regime instituído em 64; contra a eleição de Costa e Silva; redação, pelo entrevistado, de ato pelo qual o Congresso conferia plenos poderes ao presidente; redação do Ato Institucional n* 1 por Francisco Campos; afastamento de Adauto L. Cardoso do governo militar.


14ª Entrevista: 05.09.1993
Fita 23-A: Razão de não ter apoiado a eleição indireta de Costa e Silva; avaliação do governo Castelo Branco; a questão da prorrogação do mandato de Castelo Branco; relações com Carlos Lacerda; o quadro político em 1968; o governo Nasser no Egito; fim das repressões militares; livro de R. Michels sobre partidos políticos e oligarquia; tendência à adoção da disciplina militar em países subdesenvolvidos; avaliação do Brasil à época da entrevista; dívida externa brasileira; razões da lentidão do processo de transição para a democracia; Hélio Beltrão e o programa de desburocratização; diferença entre poder e governo; atitudes do entrevistado a favor do governo Castelo, contra o governo Costa e Silva e suas consequências; fundação da Arena; recusa a ser candidato a senador pelo PTB em 1967; desinteresse pelo ambiente político de Brasília à época da entrevista; necessidade de idéias no Brasil e de reconher a participação dos intelectuais nos processos políticos.

Fita 23-B: Golberi e o livro sobre geopolítica; necessidade de idéias na condução política; a prorrogação do mandato de Castelo Branco; experiência no Senado e na Câmara; os últimos discursos no Senado (1966/67); a Lei Afonso Arinos (1953); ante-projeto de Carlos de Medeiros à Constituição de 1967; críticas ao projeto da Constituição de 1967; redação do capítulo de direitos e garantias da Constituição; parlamentarismo e eleições diretas.

Fita 24-A: Viagem do entrevistado aos EUA à época da entrevista; a diferença entre fatos e idéias; diferença entre poder e governo no caso do Brasil.


15ª Entrevista: 24.10.1983
Fita 25-A: As idéias de "mineiridade", mineirismo e "mineirice"; o significado de Minas na história brasileira e diferenças regionais no interior do estado; história da formação de Paracatu, MG; perfil de Aureliano Chaves; "mineiridade" e "mineirice"; o Concílio do Vaticano II e a posição do entrevistado em relação à Igreja; Alceu Amoroso Lima; comentários sobre a UDN; grupos que participaram da Revolução de 1964 e o afastamento da UDN; Eduardo Gomes e semelhança com Prestes; relato de episódio ocorrido com Eduardo Gomes em campanha eleitoral em Minas.

Fita 25-B: Episódio ocorrido com Eduardo Gomes (continuação); escolha de Eduardo Gomes para candidato à Presidência da República; comparação entre De Gaulle, Eduardo Gomes, Juarez Távora e Prestes; papel dos mineiros na UDN; papel da UDN na queda do governo Vargas; relação com Brizola à época da entrevista; intenções políticas do grupo em torno a Vargas; João Goulart; Júlio de Castilhos; conversa com Augusto do Amaral Peixoto ao final do governo Vargas; posição da UDN na lei de criação da Petrobrás; diferenciação de setores da UDN; papel da UDN na aprovação do Acordo Militar Brasil-Estados Unidos; papel do entrevistado na UDN; opinião sobre a política externa de Getúlio Vargas; relato de conversa com Osvaldo Aranha.

Fita 26-A: A campanha eleitoral para o Senado; o conceito de "burocracia" em Weber e a tendência à militarização da burocracia na América Latina; ainda a campanha eleitoral para o Senado; relação com Carlos Lacerda e perfil do mesmo; episódio com Eduardo Gomes no 11 de Novembro de 1955; considerações sobre Eduardo Gomes.

Fita 26-B: Diferenças entre o Brasil e a América espanhola; significado de Juruna e Figueiredo no quadro brasileiro; a influência africana na formação do Brasil; opinião sobre Juscelino e sobre a fundação de Brasília; visita de Eisenhower ao Rio de Janeiro; reação do entrevistado à morte de Juscelino; relato de episódio com Capanema e Alkmin.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados