Luiz Alberto de Barros Mott

Entrevista

Luiz Alberto de Barros Mott

Entrevista realizada no contexto do projeto “Memória das Ciências Sociais no Brasil”, desenvolvido com financiamento do Banco Santander, entre janeiro de 2016 e dezembro de 2020, com o objetivo de constituir um acervo audiovisual de entrevistas com cientistas sociais brasileiros e a posterior disponibilização dos depoimentos gravados na internet. Para ter acesso à transcrição e ao vídeo da entrevista clique aqui.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC e trechos no portal.

Tipo de entrevista: História de vida
Entrevistador(es):
Celso Castro
Data: 26/2/2018 a 26/2/2018
Local(ais):
Salvador ; BA ; Brasil

Duração: 2h38min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Luiz Alberto de Barros Mott
Formação: Graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1968); Possui mestrado em Etnologia pela Universite de Paris IV (Paris-Sorbonne) (1971); Doutorado em Antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (1975).
Atividade: Professor na Unicamp (1972 – 1978); Professor na UFBA (1979 –); Atualmente Professor Titular aposentado.

Equipe


Transcrição: Maria Izabel Cruz Bitar;

Conferência da transcrição: Clara de Aquino Ferreira;

Técnico Gravação: João Paulo Pugin Silva;

Sumário: Julia Rocha Pitta Chacur;

Temas

Agradecimentos;
Antropologia;
Assuntos pessoais;
Ateísmo;
Atividade acadêmica;
Atividade científica;
Atividade profissional;
Bahia;
Bolsas de estudo e de pesquisa;
Brasil;
Casamento;
Ciências Sociais;
Demografia;
Discriminação sexual;
Ditadura;
Divórcio;
Ensino superior;
Europa;
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Paulo;
Família;
França;
Gênero;
Homossexualismo;
Igreja Católica;
Imigração;
Imprensa;
Indios;
Intelectuais;
Itália;
Juventude;
Magistério;
Manifestações populares;
Militância política;
Minas Gerais;
Minorias;
Movimento de Educação de Base (1961);
Movimentos sociais;
Mulher;
Negros;
Obras de referência;
Paulo Reglus Neves Freire ;
Pensamento conservador;
Pesquisa científica e tecnológica;
Política;
Portugal;
Pós - graduação;
Preso político;
Região Nordeste;
São Paulo;
Sergipe;
Sexualidade;
Universidade de São Paulo;
Universidade Estadual de Campinas;
Viagens e visitas;

Sumário

Entrevista: 26 de fevereiro de 2018

Origens familiares, profissão dos pais, imigração da família italiana para o Brasil; a juventude, o garoto “afeminado” e a castidade católica; a “fuga” para Juiz de Fora e os anos no seminário interno; formação para ser padre; relação com a política nos anos iniciais e a escolha pelo curso de Ciências Sociais na FFLCH-USP; primeiros contatos na universidade, relação com intelectuais importantes e com a homossexualidade nos bares de São Paulo; participação nas manifestações contra a ditadura e as duas prisões nesse período; término da faculdade em 1968, a identificação com a Antropologia e a importância do Projeto de Educação de Base Paulo Freire na USP para sua formação; viagens pelo nordeste e Brejo Grande no Sergipe; a antropologia rural e o mestrado e vida na Sorbonne; chegada na França em 1969 e experiências homoeróticas; leituras mais relevantes, a transformação em ateu e teorias antropológicas; tempo na Europa: viagens, experiências e pesquisa; fontes para pesquisa sobre feiras; artigos sobre mulheres, indígenas e negros; pesquisa e vida em Portugal; casamento em 1972; professorado e doutorado na UNICAMP; conflitos com a sexualidade, término do casamento e afirmação homossexual; ida para a Bahia em 1979 e o GGB (Grupo Gay da Bahia); percurso intelectual e acadêmico, etnografia demografia histórica; o movimento gay, militância e pesquisa sobre homossexualidade; a homofobia na imprensa e no meio acadêmico; professor adjunto e bolsas científicas sobre sexualidade; conservadorismo e libertinagem nos dias atuais; “Demandas emergenciais” LGBTs atualmente; relação com o movimento Queer, Trans e Lésbico; acusações ligadas ao seu nome na internet; contribuições acadêmicas para visibilidade das minorias; agradecimentos.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados