Sabiniano Alves do Rego Maia

Entrevista

Sabiniano Alves do Rego Maia

Entrevista realizada no contexto do projeto "História política da Paraíba: constituição de acervo", desenvolvido em convênio com a Universidade Federal da Paraíba, entre maio de 1978 e agosto de 1980. O projeto previu um intercâmbio das entrevistas produzidas por cada uma das instituições. Esta entrevista foi realizada pela equipe da UFPB e incorporada ao acervo do CPDOC.A escolha do enrevistado se justificou porque ele foi prefeito de Mamanguape (1932) e de outros municípios paraibanos.
Forma de Consulta:
Entrevista datilografada disponível na Sala de Consulta do CPDOC.

Tipo de entrevista: História de vida
Entrevistador(es):
Maria Antônia Alonso Andrade
Humberto Cavalcanti de Mello
Data: 5/3/1981 a 10/3/1981
Local(ais):
João Pessoa ; PB ; Brasil

Duração: 4h0min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Sabiniano Alves do Rego Maia
Nascimento: 7/7/1903; Itatuba; PB; Brasil;

Formação: Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Recife (1928); cursou dois anos da Faculdade de Medicina (um ano na Faculdade de Medicina da Bahia e um ano na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro).
Atividade: Adjunto de promotor público de Pilar; delegado em Itabaiana; promotor em Santa Catarina; prefeito de Mamanguape (1932); procurador da Justiça Eleitoral; prefeito de Campina Grande; secretário de Educação de José Targino; prefeito de Guarabira.

Equipe


Copidesque: Terezinha de Jesus Ramalho Pordeus;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Temas

Aliança Renovadora Nacional;
Argemiro de Figueiredo;
Campesinato;
Coronelismo;
Elites políticas;
Exército;
Golpe de 1964;
Governo João Goulart (1961-1964);
João Agripino Filho;
João Pessoa;
José Américo de Almeida;
Ligas camponesas (1955-1964);
Paraíba;
Política estadual;
Reforma agrária;
Revolução de 1930;
Rui Carneiro;
Sabiniano Alves do Rego Maia;
Tarcísio Buriti;
União Democrática Nacional;

Sumário

1a Entrevista:

Fita 1: filiação; descendência; engenhos e propriedades da família; formação cultural; colegas e professores famosos; adjunto de promotor em Pilar; parentesco com o senador Cunha Pedrosa; funcionamento de um júri à época da nomeação do entrevistado; chefes políticos; delegado em Itabaiana; nomeado por João Pessoa; eleições municipais em 1928; hegemonia epitacista; chefias políticas entre 1915 e 1930, em Itabaiana; os Ribeiro Coutinho na política; eleições de 1924; João Pessoa e os Ribeiro Coutinho; realização de João Pessoa; política do desembargador Heráclito Cavalcanti; desunião interna na família Pessoa; atividades do entrevistado entre 1929 e 1930; delegado de Itabaiana, advogado e fazendeiro; conceitos sobre João Pessoa; auxiliares diretos de João Pessoa; João da Matta e João Dantas; invasão do escritório de João Dantas; a ida do entrevistado para Santa Catarina; conceitos sobre Joaquim Pimenta e sua liderança em Pernambuco; regresso do entrevistado de Santa Catarina; prefeito de Mamanguape; questão com os Lundgrens; ida de Getulio Vargas à Paraíba; procurador do Tribunal Regional Eleitoral; Fundação do Partido Progressista.............1 a 27

Fita 2: nomeações de prefeitos municipais após a Revolução de 1930; o entrevistado como prefeito de Mamanguape; procurador do Tribunal Eleitoral; eleições após 1930; funcionamento do Tribunal Eleitoral; primeiros partidos políticos na Paraíba, após 1930; o entrevistado na Prefeitura de Guarabira; advogado em Sapé; política de Epitacinho contra Argemiro Figueiredo; governo de Argemiro; o entrevistado na UDN; formação da UDN; interventoria do desembargador Montenegro; atuação do Dr. Braz Baracuhy na política paraibana; escolha do Dr. Oswaldo Trigueiro para governador do estado; o entrevistado na prefeitura de Campina Grande; administração em Guarabira; governo José Targino; o entrevistado como diretor do jornal A União; cisão da UDN.................................................................27 a 53

2a Entrevista:

Fita 3: cisões da UDN e conceitos sobre esse partido; choques entre o interventor Antenor Navarro e o entrevistado; opinião do entrevistado sobre Antenor Navarro; comparações entre o Tribunal Federal da Justiça Federal de 1934/37 e 1961/65; secretário do Interior e Justiça no governo João Agripino; conceitos sobre o governo João Agripino; o entrevistado como presidente da ARENA; divergências na ARENA; crises nas sucessões dos governadores João Agripino, Ernani Satiro e Ivan Bichara; interferências de José Américo nessas sucessões; nomeação de Tarcísio Burity; opiniões sobre Antônio Mariz e Milton Cabral; eleições para o Senado em 1974; opiniões sobre os candidatos ao Senado: Rui Carneiro e Aluísio Campos; semelhança entre Rui Carneiro e Wilson Braga; divergências entre Ernani Satiro e João Agripino; Cooperativas de Crédito Rural; desaparecimento dessas Cooperativas; Ligas Camponesas na Paraíba (em especial em Sapé); líderes e atuação das Ligas; os políticos e as Ligas; o governador Pedro Gondim e as Ligas; política de João Goulart; o entrevistado como vítima das Ligas; Associação dos Proprietários Rurais da Paraíba; reações contra as Ligas Camponesas; as Ligas em Sapé; a Igreja perante as Ligas; indicação de Burity para governador da Paraíba; relação de Burity com José Américo; atritos de Mariz e Milton Cabral com José Américo; o entrevistado como presidente da ARENA; eleições de 1974 para o Senado; a política de Rui Carneiro; semelhanças entre Rui Carneiro e Wilson Braga; o entrevistado como dirigente da Cooperativa de Crédito; fechamento das Cooperativas de Crédito; Ligas Camponesas; líderes, atuação e idéias; Francisco Julião, os políticos e as Ligas; Pedro Gondim e as Ligas; atuação de Assis Lemos e Agassiz de Almeida; o governo de João Goulart; Associação dos Proprietários Rurais; dirigente da Associação; o entrevistado como vítima das Ligas; repressão aos camponeses; a posição da Igreja perante as Ligas..............................................................................................................................................................53 a 76

Fita 4: Padre Melo em Pernambuco; a Igreja e as Ligas; o governo federal; o Exército e as Ligas; áreas de atuação das Ligas; as Ligas no sertão paraibano; exigências das Ligas; regime de trabalho na época; assistência social e tentativa de sindicatos; violência na propriedade do entrevistado culminando com a sua expulsão da fazenda pelos camponeses; Golpe de 1964; situação dos camponeses; morte dos camponeses; influência das Ligas nas eleições de 1963; criação da SUPRA; conceito do entrevistado sobre a reforma agrária; o fim das Ligas; repressão aos camponeses após o Golpe de 1964; venda das terras do entrevistado; o caso de Alagamar; Anaíde Beiriz e o entrevistado; romance de Anaíde e João Dantas; o caso das cartas; a morte de Anaíde; doação da entrevista..76 a 91
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados