Ivanir dos Santos

Entrevista

Ivanir dos Santos

Entrevista realizada no contexto do projeto "História do Movimento Negro no Brasil", desenvolvido pelo CPDOC em convênio com o South-South Exchange Programme for Research on the History of Development (Sephis), sediado na Holanda, a partir de setembro de 2003. A pesquisa tem como objetivo a constituição de um acervo de entrevistas com os principais líderes do movimento negro brasileiro. Em 2004 passou a integrar o projeto "Direitos e cidadania", apoiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) do Ministério da Ciência e Tecnologia. As entrevistas subsidiaram a elaboração do livro "Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC." Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007. A escolha do entrevistado se justificou, entre outros, por sua participação na comissão de organização do I Encontro Nacional de Entidades Negras (Enen).
Forma de Consulta:
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC. Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Verena Alberti
Amilcar Araujo Pereira
Data: 1/12/2003
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 2h0min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Carlos Alberto Ivanir dos Santos
Nascimento: 12/7/1954; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Graduado em Educação pela Faculdade Notre Dame (1979).
Atividade: Militante do Movimento Negro desde a década de 1970. Representa uma grande liderança, pois participou de todo o processo de crescimento e organização do Movimento Negro do Rio de Janeiro na década de 1980. Foi Subsecretário de Direitos Humanos e Cidadania do Estado do Rio de Janeiro. Foi fundador do Centro de Articulação das Populações Marginalizadas (CEAP) e, atualmente, é seu presidente. Fundou a Associação dos Ex-alunos da FUNABEM (ASSEAF). Participou da Comissão de Organização do I Encontro Nacional de Entidades Negras (ENEN).

Equipe

Levantamento de dados: Amilcar Araujo Pereira;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Amilcar Araujo Pereira;

Transcrição: Amilcar Araujo Pereira; ;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes; Marco Dreer Buarque;

Sumário: Luisa Quarti Lamarão;

Temas

Classe média;
Discriminação racial;
Ensino;
Falecimento;
Família;
Movimento negro;
Negros;
Partidos políticos;
Polícia;
Política;
Racismo;
Religião;
Religiões afro-brasileiras;
Trajetória política;

Sumário

1ª Entrevista: 1/12/2003
Fita 1-A: origens familiares; a busca do pai, que conheceu após 40 anos; possíveis causas do falecimento da mãe em meados da década de 1960; separação da mãe, aos cinco anos, e internação no Serviço de Assistência ao Menor (SAM); a trajetória no SAM e na Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor (Funabem); importância do professor de música da Funabem, Luís Gonzaga Pires, para a formação do entrevistado; atividades de resistência desenvolvidas na Funabem: criação de jornal (1971) e formação de grêmio.

Fita 1-B: os primeiros empregos, após desligamento da Funabem: professor de música em uma escola e trabalho em uma gráfica; o contato com a política partidária, por influência do professor Luís Gonzaga Pires; causa do falecimento da mãe, em meados da década de 1960; a visita ao padrasto, na ilha Grande, no início dos anos 1970; o contato com iniciativas do movimento negro contemporâneo, no início da década de 1970, no Rio de Janeiro; o processo de fundação da Associação dos Ex-alunos da Funabem (Asseaf), em 1979; o ingresso no curso de educação da Faculdade Notre Dame, em Ipanema, no Rio de Janeiro, em 1979; o trabalho como professor de música da Funabem, em diversas localidades, no Rio de Janeiro; contato com Togo Ioruba no Instituto Padre Severino e engajamento no movimento negro; o estigma que sofrem alunos e ex-alunos da Funabem e a especificidade da atuação do entrevistado no movimento negro decorrente dessa origem; contatos com militantes e instituições do movimento negro; comentário sobre grupos divergentes no Instituto de Cultura e Pesquisas Negras (IPCN), no Rio de Janeiro; lembrança de entrevistas com Beatriz Nascimento e Abdias do Nascimento, que chamaram sua atenção para a questão racial; as dificuldades do movimento negro em incorporar a seu discurso sobre a questão racial a situação dos alunos da Funabem, das prostitutas e de outros marginalizados; a luta contra a violência policial e grupos de extermínio; menção ao "passeato", passeata e ato público que constituiu a primeira manifestação de rua da Asseaf no Rio de Janeiro (1984); a criação do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (Ceap), em 1989, e a crítica de lideranças do movimento negro ao financiamento dessa entidade por recursos da cooperação internacional; a participação, primeiro, da Asseaf e, depois, do Ceap na organização dos I e II Encontros de Negros Sul-Sudeste e no I Encontro Nacional de Entidades Negras (Enen) (1991); menção à ausência do Movimento Negro Unificado (MNU) do I Enen; os planos do entrevistado para dar continuidade ao projeto do Enen, e sua decisão de se concentrar nas atividades do Ceap; a atuação do Ceap.

Fita 2-A: a qualidade do ensino na Escola Quinze, no Rio de Janeiro, e a caracterização de sua clientela; a participação do entrevistado, via Ceap, no processo de articulação do I Enen, em 1991; o lançamento da campanha de ação afirmativa do Ceap, baseada no símbolo das camélias, em novembro de 2003; mudanças de perspectiva, dentro do movimento negro, a respeito da questão das cotas para negros nas universidades públicas; a inserção da reserva de vagas para negros no relatório oficial que o governo brasileiro levou para a III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, realizada em Durban, África do Sul, em setembro de 2001; a primeira lei de cotas do Brasil, Lei nº 3.708 aprovada pela Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) em 2001; a defesa de políticas de ação afirmativa como estratégia política do movimento negro; a importância do debate suscitado pela instituição de cotas em universidades públicas; a atuação política do movimento negro, em comparação com a atuação de partidos políticos, especialmente de esquerda; o significado da ação do movimento negro no Brasil à época da entrevista; os efeitos do ingresso de militantes do movimento negro na academia; relato da aproximação com o candomblé; comentário sobre sua origem e a relação com o pai, depois de encontrá-lo; os cinco filhos e dois netos do entrevistado e o aprendizado da convivência em uma casa, com família, em contraste com sua experiênica de crescer em alojamentos.

Fita 2-B: críticas ao discurso da Funabem à época em que era interno; a trajetória individual do entrevistado como típica, na sociedade brasileira; a busca das origens maternas; a realização da "Marcha contra a farsa da abolição", em 11/5/1988, na Candelária, no Centro do Rio de Janeiro: a reação do Exército e a repercussão do evento; os efeitos da "Marcha Zumbi dos Palmares contra o racismo, pela cidadania e a vida", realizada em 20/11/1995, em Brasília; o significado da inscrição de Zumbi no livro dos heróis nacionais, em 20/11/1996; a necessidade de envolvimento de toda a sociedade brasileira nas políticas de ação afirmativa; a importância da Lei nº 10.639, sancionada em janeiro de 2003, tornando obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira nos ensinos fundamental e médio; a origem da idéia de que o 20 de Novembro fosse o dia nacional da consciência negra; avaliação da trajetória e dos avanços conquistados pelo movimento negro; a importância da ação afirmativa como estratégia do movimento e a repercussão da campanha baseada no símbolo da camélia, lançada pelo Ceap à época da entrevista; opinião sobre a criação da Secretaria Especial de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial (Seppir), em março de 2003; a dificuldade de conciliar a vida familiar com as atividades da militância do movimento negro; o significado da militância no movimento negro para a trajetória pessoal do entrevistado.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados