João Gilberto Possiede

Entrevista

João Gilberto Possiede

Entrevista realizada no contexto do projeto "A Atividade de Seguros no Brasil", desenvolvido entre 1996 e 1998, na vigência do convênio entre o CPDOC-FGV e a Funenseg. Esta entrevista subsidiou a elaboração do livro: ENTRE A SOLIDARIEDADE e o risco: história do seguro privado no Brasil / Coordenadora: Verena Alberti. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas, 1998. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getulio Vargas, 1998. A sessão gravada foi precedida de uma conversa preliminar e do envio de um roteiro ao entrevistado. A transcrição foi por ele revista, tendo sofrido algumas alterações em relação à gravação original. O entrevistado acrescentou um depoimento por escrito, datado de 01/07/1997 e acompanhado de um recorte de jornal, sendo este material anexado ao final do texto do depoimento. A escolha do entrevistado se justificou por ser executivo de diversas seguradoras brasileiras, e por ser um profissional com mais de cinqüenta anos de experiência no mercado.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Maria Antonieta Parahyba Leopoldi
Teresa Cristina Novaes Marques
Data: 12/3/1997
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 2h35min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: João Gilberto Possiede
Formação:
Atividade: Executivo de diversas seguradoras brasileiras; presidente do Sindicato das Seguradoras do Estado do Paraná.

Equipe

Levantamento de dados: Maria Antonieta Parahyba Leopoldi;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Maria Antonieta Parahyba Leopoldi;

Conferência da transcrição: Teresa Cristina Novaes Marques;

Copidesque: Leda Maria Marques Soares;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes;

Sumário: Teresa Cristina Novaes Marques;

Temas

Atividade profissional;
Bancos comerciais;
Café;
Companhias de seguro;
Crédito agrícola;
Estatização;
Exportação;
Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e Capitalização (Fenaseg);
Formação profissional;
Habitação;
Hidrelétricas;
Instituto de Resseguros do Brasil;
Itaipú Binacional;
Jaime Lerner;
João Gilberto Possiede;
Lazer;
Mercado;
Mercosul;
Miguel Junqueira Pereira;
Paraná;
Política estadual;
População;
Previdência privada;
Privatização;
Representação classista;
Segurança do trabalho;
Seguros;
Sul América Seguros;
Vida cotidiana;

Sumário

Entrevista: início da vida profissional na juventude; a busca do primeiro emprego, ingressando na sucursal da Companhia Internacional de Seguros, em Curitiba, no ano de 1946; o aprendizado profissional auxiliado por colegas e superiores; o casamento, em 1952, e a transferência para a Atalaia Companhia de Seguros Gerais; a ascenção funcional na Atalaia, passando a encarregado da Seção de Incêndio e Riscos Diversos; a firmeza para impor autoridade; o contato com o setor madeireiro em razão dos seguros de serrarias; a expansão da lavoura cafeeira no Paraná nos anos 1950, e os seguros do café nos armazéns do porto de Paranaguá; os seguros do café exportado; a ligação entre a origem do Banco Bamerindus e da Atalaia; o impacto da estatização dos seguros de acidentes do trabalho sobre a Atalaia; o desdobramento da Atalaia na Seguradora Ouro Verde, para operar com o café paranaense; a importância do Decreto nº 3.172, do co-seguro, para o crescimento da Atalaia e o surgimento da Ouro Verde; o crescimento da carteira de seguros de automóveis e o apoio operacional do banco; a importância da carteira de crédito agrícola dentro do Bamerindus, e o oferecimento de seguros de crédito nas vendas e de implementos agrícolas; a origem da Companhia Bamerindus de Seguros como resultado da política de fusões dos anos 70; o surgimento do Banco Bamerindus em decorrência de processo semelhante de concentração; a origem do nome Bamerindus; atuação como diretor da Mercantil Corretagem de Seguros, vinculada ao Banco Bamerindus; atuação em comissões técnicas do Sindicato das Seguradoras do Estado do Paraná desde os anos 50.
O crescimento da demanda por seguros de performance bond, ou seguro garantia, junto a empresas multinacionais nos anos 70; o desenvolvimento da carteira de performance bond na seguradora Bamerindus; as dificuldades na disseminação da modalidade de seguros garantia no mundo público; o contato com uma seguradora argentina para o aporte de conhecimentos relativos ao seguro garantia; a origem da Associação Pan-Americana de Fianças e Garantia e a participação do entrevistado na entidade; o ano de 1978 e as negociações para a realização de seguro de garantia junto às empresas envolvidas na construção de Itaipu; a contratação de seguros no lado paraguaio; as dificuldades para a disseminação da prática do seguro garantia, sobretudo a concorrência dos bancos que ofereciam fianças; a assinatura do Acordo de Basiléia, em 1994, e a saída dos bancos do mercado de fianças, abrindo espaço novamente para o seguro garantia.
A trajetória do entrevistado por seguradoras paranaenses e de presença regional, como a Internacional, a Atalaia, a Bamerindus e a Paraná; a aposentadoria no grupo Bamerindus e o ingresso na J. Malucelli Seguradora S.A.; a montagem da estrutura operacional da J. Malucelli; a trajetória do grupo J. Malucelli; participação em entidades de representação de classe: o contato profissional com Hamilcar Pizzato, presidente do Sindicato das Seguradoras do Paraná por dez anos; a eleição para a presidência do sindicato paranaense em 1993, e a participação na diretoria da Fenaseg; a participação em negociações do Mercoseguros, facilitada por contatos pessoais com o meio segurador da América hispânica; a composição do atual Comitê Coordenador do Mercoseguros: Miguel Junqueira, Nílton Ribeiro e João Gilberto Possiede; a posição do meio político paranaense em relação ao Mercosul; a política de atração de investimentos para o estado do Paraná e a importância do governador Jaime Lerner nesse esforço; prováveis efeitos positivos e negativos sobre a qualidade de vida no Paraná; análise do mercado segurador no Paraná; a concentração do mercado regional em torno de grandes seguradoras - Bamerindus, Gralha Azul, Sul América e Bradesco - e as possibilidades de crescimento para pequenas e médias empresas; a instalação de montadoras de automóveis em Curitiba e seus prováveis efeitos multiplicadores sobre o setor de seguros; o crescimento populacional esperado causando impacto sobre a oferta de moradias, de serviços e de lazer.
A mudança na composição dos ramos de seguro em nível nacional: a estagnação do seguro de automóveis, o crescimento do seguro saúde e previdência privada, e a perspectiva de privatização dos seguros de acidentes do trabalho; o interesse de empresas de seguros e resseguros estrangeiras pelo Brasil; a falta de uma cultura de seguro no consumidor brasileiro e os resultados de uma pesquisa de opinião feita pelo Ibope; a dimensão da população brasileira em face da população dos demais países que integram o Mercosul, e as possibilidades do mercado consumidor nacional para produtos argentinos e outros.
Avaliação sobre o andamento das reformas do sistema segurador: o papel desempenhado pelo IRB no passado e no sistema atual; o traço de personalidade mais importante para o desempenho profissional do entrevistado: entusiasmo; a importância da transmissão da experiência adquirida aos profissionais mais jovens; balanço positivo da trajetória profissional, considerando-se hoje como um nome respeitado no meio segurador brasileiro.



Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados