Lúcia Maria Xavier

Entrevista

Lúcia Maria Xavier

Entrevista realizada no contexto do projeto "História do Movimento Negro no Brasil", desenvolvido pelo CPDOC em convênio com o South-South Exchange Programme for Research on the History of Development (Sephis), sediado na Holanda, a partir de setembro de 2003. A pesquisa tem como objetivo a constituição de um acervo de entrevistas com os principais líderes do movimento negro brasileiro. Em 2004 passou a integrar o projeto "Direitos e cidadania", apoiado pelo Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex) do Ministério da Ciência e Tecnologia. As entrevistas subsidiaram a elaboração do livro "Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC." Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007. A escolha da entrevistada se justificou por ter sido uma das fundadoras da Criola, entidade do movimento de mulheres negras.
Forma de Consulta:
Entrevista em áudio disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC.
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: Histórias do movimento negro no Brasil - depoimentos ao CPDOC. Verena Alberti e Amilcar Araujo Pereira (orgs.). Rio de Janeiro: Pallas; CPDOC-FGV, 2007.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Verena Alberti
Amilcar Araujo Pereira
Data: 5/12/2003
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 2h45min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Lúcia Maria Xavier de Castro
Nascimento: 1/1/0001; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Graduada em Serviço Social - UFRJ (1984).
Atividade: Militante do Movimento Negro desde a década de 1970. Foi fundadora e atualmente é coordenadora de projetos da criola, organização de mulheres negras do rio de janeiro. Há mais de 11 anos dedica-se ao desenvolvimento de ações e projetos de assistência social junto às populações negras e pobres do estado do Rio de Janeiro. Foi vice-presidente do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente no período de outubro de 1996 até outubro de 1997.

Equipe

Levantamento de dados: Amilcar Araujo Pereira;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Amilcar Araujo Pereira;

Transcrição: Amilcar Araujo Pereira; ;

Técnico Gravação: Clodomir Oliveira Gomes; Marco Dreer Buarque;

Sumário: Maurício Silva Xavier;

Temas

Assistência social;
Associações comunitárias;
Catolicismo;
Chile;
Discriminação racial;
Esquerda;
Gênero;
Indios;
Menor abandonado;
Menor carente;
Menor infrator;
Movimento negro;
Movimentos sociais;
Mulher;
Partido dos Trabalhadores - PT;
Polícia;
Racismo;
Religiões afro-brasileiras;
Serviço social;
Violência;

Sumário

Entrevista: 5/12/2003
Fita 1-A: origens familiares; recordações do envolvimento da mãe com o candomblé; a infância na casa dos avós paternos; lembranças do início da formação escolar; a transferência para um quarto alugado, na Tijuca, com a mãe e as irmãs, aos 12 anos; a formação católica da família paterna e o envolvimento com escolas de samba; o contato com o kardecismo e a umbanda, a partir dos 12 anos, em função da amizade de uma família espírita; a entrada recente no candomblé; programas de juventude na Tijuca: grupo jovem de igreja e cinema; as escolas secundárias freqüentadas pela entrevistada; a relação com a família espírita que ajudou a mãe da entrevistada e suas filhas a terem trabalho e estudo; os primeiros trabalhos da entrevistada, a partir dos 14 anos: em fábrica de materiais religiosos, em imobiliária e em escritório de advocacia; a preparação para o vestibular, em 1979.

Fita 1-B: a opção pelo vestibular para serviço social; características da familia espírita que apoiava a entrevistada; recordações sobre o convívio predominante com negros durante a infância e as instruções da avó para se enfrentar o racismo; a discriminação racial na escola, na Tijuca; o ingresso no movimento negro, em 1981: influências da mãe, do grupo de jovens que freqüentava escolas de samba e bailes soul, e o contato com o grupo Acorda Crioulo, da Cidade de Deus; estágios durante o curso universitário de serviço social, primeiro na Universidade Federal Fluminense (UFF) em Campos, e depois na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); a filiação ao Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN), em 1984.

Fita 2-A: o papel do IPCN na formação da identidade racial da entrevistada; os dilemas da profissão do serviço social; comparação entre as possibilidades de afirmação da identidade racial nos anos 1980 e à época da entrevista; a convivência de diferentes tendências, nos debates do IPCN; razões do rompimento com o IPCN e motivo pelo qual o IPCN está fechado à época da entrevista; a opção pelo movimento de mulheres negras e a importância da questão de gênero dentro do movimento negro; lembrança de algumas militantes do movimento de mulheres negras; origem da organização não governamental Criola, fundada em 1992, com participação da entrevistada; características do Centro de Articulação das Populações Marginalizadas (Ceap), fundado em 1989, e do IPCN, no desenvolvimento de ações sociais; o trabalho da entrevistada com crianças e adolescentes de rua, em articulação com atividades desenvolvidas no IPCN, como capoeira e cozinha afro-brasileira; o desenvolvimento do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro: articulação com associações comunitárias e movimento de favelas, a realização do I Encontro Estadual da Mulher Negra e a formação de organizações de mulheres negras; objetivos da criação da Criola, em 1992, e a importância da discussão sobre a homossexualidade, no movimento.

Fita 2-B: especificidades do movimento de mulheres negras; a falta de apoio da esquerda ao movimento negro; a importância do movimento de mulheres negras na luta contra o racismo: relação com o movimento negro e destaque na III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, realizada em Durban, África do Sul, em setembro de 2001; descrição das atividades e da estrutura do grupo Criola: fundação, objetivos, desenvolvimento de oficinas, relato de experiências, o projeto "SOS criolinha", fontes de financiamento; a criação da Articulação de Organizações de Mulheres Negras Rumo à III Conferência Mundial Contra o Racismo, em 2000.

Fita 3-A: a participação do movimento de mulheres negras na Conferência Regional das Américas, realizada em Santiago do Chile, em dezembro de 2000, como preparação para a Conferência Mundial contra o Racismo: relação com o movimento negro no Brasil, articulação com movimentos da América Latina e Caribe, contatos com o embaixador do Brasil em Santiago, relação com organizações dos povos indígenas; participação nas pré-conferências de Genebra e articulação com organizações africanas e de afro-descendentes; os debates sobre as questões relativas às mulheres negras no mundo: a semelhança de problemas e o surgimento de novas questões antes não cogitadas; a atuação durante a Conferência de Durban, entre 31/8 e 7/9/2001; atuação da Articulação de Organizações de Mulheres Negras: a participação na Conferência de Durban, sua reorganização no Brasil após a Conferência, sua estrutura e seu funcionamento à época da entrevista; a questão racial no Brasil, à época da entrevista: os limites das ações do Estado, as desigualdades raciais e o racismo no cotidiano, o significado das ações do movimento negro.

Fita 3-B: discussão sobre a insituição de cotas para negros nas universidades públicas; comentários sobre a postura da elite brasileira diante da questão racial no Brasil; a importância do trabalho de psicanálise realizado durante 11 anos; relato sobre violência policial sofrida pela entrevistada no Rio de Janeiro, em 1988; o trabalho com crianças de rua na década de 1980 e a opção pela questão de gênero na luta contra o racismo.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados