INDICAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS

 

Movimentos sociais

 

 

Alexandre Reis Rosa
alexandre@fucape.br

 

 

Os movimentos da sociedade sempre foram um fator decisivo na história humana. Por trás deles, atores, ideias e recursos organizam-se de diferentes formas para obter respostas coletivas aos problemas enfrentados. Para entender sua dinâmica, diversas tradições teóricas foram desenvolvidas, principalmente nos EUA e na Europa. Nos estudos europeus, a ênfase dirigiu-se à formação da identidade coletiva, ao passo que, nos estudos norte-americanos, buscou-se privilegiar os aspectos relacionados à estratégia e a estrutura dos movimentos sociais. Recentemente, a globalização e as redes sociais têm contribuído para emergência de novas formas de organização, tornando os movimentos sociais cada vez mais dinâmicos, descentralizados e capazes de influenciar tanto na formação dos atores como na formulação das estratégias. Para os que desejam conhecer esse tema de estudo, Alexandre Reis Rosa, professor associado da Fucape Business School, recomenda as seguintes obras.

TEORIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS: Paradigmas clássicos e contemporâneos. Maria da Glória Gohn. São Paulo: Loyola, 1997. 383 p. Este livro é uma ótima introdução ao tema dos movimentos sociais. Apresenta como se desenvolveram os primeiros estudos na área e quais foram suas principais correntes teóricas. Os capítulos estão organizados com base em três paradigmas: o norte-americano, o europeu e o latino-americano. Em cada um deles, a autora discute os principais conceitos e explora as convergências e divergências do debate entre os paradigmas.

COMPARATIVE PERSPECTIVES ON SOCIAL MOVEMENTS: Political opportunities, mobilizing structures, and cultural framings. Dough McAdam, John McCarthy e Meyer Zald (Eds.). Cambridge: Cambridge University, 1996. 426 p. Esta coletânea reúne ensaios que refletem bem a tradição de estudos desenvolvida nos EUA. Os capítulos concentram-se nas estruturas de mobilização, nas estratégias de ação e na análise das oportunidades políticas e dos frames de ação coletiva. Em perspectiva comparada, os capítulos analisam movimentos ambientalistas, feministas, nacionalistas, anti-imigração, em países como a antiga União Soviética, EUA, Itália, Holanda e Alemanha.

CHALLENGING CODES: Collective action in the information age. Alberto Melucci. Cambridge: Cambridge University, 1996. 456 p. Como exemplo de estudos contemporâneos na linha europeia, o livro traz uma perspectiva original para a pesquisa sobre a ação coletiva, enfatizando o papel da cultura e fazendo conexões teóricas com base na experiência do indivíduo na sociedade pós-moderna. O foco está no papel da informação em um mundo fragmentado e globalizado, e os tópicos abordados incluem conflitos políticos, feminismo, ecologia, políticas de identidade, poder e desigualdade.

A VEZ E A VOZ DO POPULAR: Movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Ana Maria Doimo. Rio de Janeiro: ANPOCS/Relume Dumará, 1995. 353 p. Vencedor do prêmio ANPOCS de 1994, este livro é um clássico dos estudos sobre movimentos sociais no Brasil. Seguindo a linha europeia, a autora apresenta uma rica análise da trajetória de diversos movimentos populares surgidos no Brasil a partir dos anos 1970. Os capítulos exploram a formação do campo ético-político no País por meio dos movimentos de moradia, contra o desemprego, pela melhoria na saúde, no transporte coletivo, entre outros.

SOCIAL MOVEMENTS AND ORGANIZATION THEORY. Gerald Davis, Doug McAdam,W. Richard Scott e Mayer Zald (Eds.). Cambridge: Cambridge University, 2005. 434 p. A coletânea explora a interface entreo campo dos estudos organizacionais e dos movimentos sociais. Os três ensaios teóricos e os oito estudos empíricos que compõem o livro ilustram os benefícios do que os autores denominam "polinização cruzada" entre as duas áreas. O fio condutor dos capítulos são os processos pelos quais os movimentos sociais se tornam cada vez mais organizados e o papel dos processos de movimento social dentro e entre as organizações.