ALFREDO PRATES DE SA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: SÁ, Alfredo
Nome Completo: ALFREDO PRATES DE SA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
SÁ, ALFREDO

SÁ, Alfredo

*magistrado; interv. AM 1924-1926; const. 1946; dep. fed. MG 1946-1951.

 

Alfredo Prates de Sá nasceu em Teófilo Otoni (MG) em 11 de dezembro de 1878, filho do coronel Carlos de Oliveira Sá, senador estadual em Minas Gerais entre 1895 e 1898 e chefe situacionista em Teófilo Otoni, e de Deolinda Arabela Prates de Sá.

Bacharelou-se pela Faculdade de Direito de Minas Gerais em 1901, foi consultor jurídico da Secretaria de Agricultura de Minas Gerais entre 1919 e 1922, promotor público e juiz de direito. Ingressou no Senado Estadual em 1922, preenchendo a vaga deixada por Manuel Tomás de Carvalho Brito. Renunciou ao mandato de senador no mesmo ano, para ocupar a chefia de polícia do estado até 1924.

Em dezembro desse ano, assumiu o cargo de interventor federal no Amazonas, onde permaneceu até janeiro de 1926. De volta a Minas, foi eleito vice-presidente do estado em março, na chapa de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, que governou de 1926 a 1930. Reocupou também uma cadeira no Senado Estadual, sendo reeleito em 1927 com mandato até 1934.

Era membro da comissão executiva do Partido Republicano Mineiro (PRM) em 1929, participando, portanto, das deliberações do partido sobre a sucessão estadual. Partidário da candidatura de Fernando de Melo Viana, afastou-se do partido juntamente com este e com alguns deputados quando a comissão indicou os nomes de Olegário Maciel para a presidência do estado e de Pedro Marques de Almeida para a vice-presidência.

Desligando-se do PRM e do movimento da Aliança Liberal, no qual o PRM estava engajado, os dissidentes passaram a participar da campanha de Melo Viana para a presidência do estado e de Júlio Prestes para a presidência da República, candidaturas que eram apoiadas por Washington Luís.

Em 1930, foi nomeado ministro do Superior — então Supremo — Tribunal Militar (STM), mas não chegou a tomar posse, pois com a vitória da Revolução e a deposição de Washington Luís, o decreto de sua nomeação foi tornado sem efeito.

Durante o governo de Olegário Maciel em Minas (1930-1933), ocupou a secretaria do Instituto Mineiro do Café. Em 1934, promulgada a nova Constituição, iniciou uma ação contra o governo federal visando à reparação dos danos decorrentes de sua exoneração do cargo vitalício de ministro do STM. Entretanto, desistiu da ação ao ser nomeado serventuário de justiça no Distrito Federal.

Em 1940, assumiu a prefeitura de Teófilo Otoni, permanecendo nesse cargo até 1945.

Em dezembro de 1945, foi eleito deputado por Minas Gerais à Assembléia Nacional Constituinte na legenda do Partido Social Democrático, permanecendo como deputado federal até janeiro de 1951.

Em 1946, ocupou por um mês a Secretaria do Interior de Minas Gerais.

Morreu em Teófilo Otoni no dia 12 de julho de 1960.

 

 

FONTES: ANDRADE, F. Relação; CÂM. DEP. Anais (6/5/12); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; CONSULT. MAGALHÃES, B.; CORRESP. SUP. TRIB. MILITAR; COUTINHO, A. Brasil; Diário do Congresso Nacional; GALVÃO, F. Fechamento; HORTA, C. Famílias; MORAIS, A. Minas; Rev. Arq. Públ. Mineiro (12/76); TORRES, J. História de Minas.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados