Francisco Otávio Beckert

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PRINCESA, Chico da
Nome Completo: Francisco Otávio Beckert

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

PRINCESA, Chico da

*dep. fed. PR 1995-

 

Francisco Otávio Beckert nasceu em Três Barras (SC) no dia 14 de julho de 1954, filho de Otávio Beckert e de Julieta Pacheco Beckert.

Em 1987 concluiu o curso de técnico em contabilidade no Colégio São Vicente Allotti, em Curitiba, e no ano seguinte tornou-se gerente administrativo da Empresa Princesa do Norte S.A., em Santo Antônio da Platina (PR). Ainda em 1988, foi um dos fundadores do Partido Liberal (PL) nesse município. Conhecido por Chico da Princesa, em alusão à empresa de ônibus em que trabalhava, e usando esse nome, elegeu-se vereador em outubro de 1992. Pouco depois de tomar posse desligou-se do PL e ingressou no Partido Democrático Trabalhista (PDT). Foi presidente da Comissão de Finanças e Orçamento e relator da Comissão de Justiça e Redação da Câmara Municipal.

Em outubro de 1994, candidatou-se a deputado federal e obteve uma suplência. Ainda no início da legislatura, em fevereiro de 1995, assumiu o mandato em virtude da nomeação do deputado Reinhold Stephanes, do Partido da Frente Liberal (PFL), para o Ministério da Previdência do governo Fernando Henrique Cardoso. Membro titular da Comissão de Desenvolvimento Urbano e Interior, foi suplente da Comissão de Seguridade Social e Família. Ainda em 1995, transferiu-se para o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e passou a integrar a Comissão de Viação e Transportes.

Na votação das emendas constitucionais enviadas pelo governo federal ao Congresso em 1995, manifestou-se contrário à quebra do monopólio dos governos estaduais na distribuição de gás canalizado. Votou a favor do fim do monopólio estatal nas telecomunicações e da Petrobras na exploração do petróleo, e da abertura da navegação de cabotagem às embarcações estrangeiras. Foi favorável também à revisão do conceito de empresa nacional e à prorrogação do Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), que substituiu o antigo Fundo Social de Emergência (FSE), instituído na legislatura anterior como fonte de financiamento do plano de estabilização econômica do governo (Plano Real). Na sessão de 24 de julho de 1996, votou contra a criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), antigo Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira (IPMF), tributo a ser destinado à área da saúde. Em fevereiro de 1997, posicionou-se a favor da emenda que permitiu a reeleição de prefeitos, governadores de estado e presidente da República. Manifestou-se também favoravelmente ao destaque ao projeto de reforma administrativa proposto pelo governo Fernando Henrique Cardoso, que extinguiu a estabilidade no serviço público, possibilitando demissões em caso de mau desempenho do servidor e sempre que os gastos com pessoal ultrapassassem 60% da arrecadação do Estado.

Em outubro de 1998, reelegeu-se deputado federal na legenda do PTB. No mês seguinte votou contra a adoção de um limite máximo para as aposentadorias do setor público e a instituição da idade mínima e do tempo de contribuição como critérios nas concessões de benefícios para os trabalhadores da iniciativa privada. Assumiu o mandato em fevereiro de 1999 e transferiu-se para o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), passando a fazer parte da base de apoio parlamentar do segundo governo de Fernando Henrique Cardoso. Foi membro das comissões de Falência e Concordatas, e de Viação e Transportes, exercendo ainda a vice-liderança do PSDB e do bloco PSDB-PTB na Câmara dos Deputados de 2000 a 2003. Votou a favor do fim dos juízes classistas, da recriação da CPMF, da restrição das prerrogativas do Executivo para reeditar medidas provisórias (MPs), da demissão dos servidores públicos por insuficiência de desempenho, da proibição do nepotismo e da quebra de sigilo bancário para acusados por crimes de corrupção.

No pleito de outubro de 2002, foi mais uma vez reeleito, na legenda do PSDB com 71.910 votos. Empossado em fevereiro do ano seguinte, em seguida ingressou no Partido Liberal (PL) agremiação da base de apoio parlamentar do governo recém-iniciado de Luís Inácio Lula da Silva. Nessa legislatura continuou a fazer parte da Comissão de Viação e Transporte. Em julho de 2005 tornou-se coordenador da bancada paranaense na Câmara dos Deputados, participando ativamente do trabalho de liberação de emendas orçamentárias para a execução de obras no estado.

Em outubro de 2006, elegeu-se para seu quarto mandato consecutivo na legenda do PL, com 84.046 votos. Tomou posse em fevereiro do ano seguinte e permaneceu como membro das comissões de Desenvolvimento Urbano e Interior, e de Viação e Transportes. Com a fusão do PL e do Partido da Reedificação da Ordem Nacional (Prona) para a formação do Partido da República (PR) em dezembro de 2006, filiou-se a essa nova legenda. Em junho de 2007 deixou a coordenação da bancada paranaense na Câmara dos Deputados, sendo substituído por Dirceu Sperafico, do Partido Progressista (PP). Votou ainda a favor da prorrogação da CPMF e da criação da Contribuição Social da Saúde (CSS), tentativa de reeditar o antigo tributo que seria posteriormente derrotada pela oposição no Senado Federal, a favor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que aumentava o número de vereadores, e da PEC que prorrogava as dívidas dos municípios (também conhecida como PEC dos Precatórios). Em março de 2009 tornou-se vice-líder do PR e, em junho do mesmo ano, foi um dos signatários da PEC que previa a possibilidade de um terceiro mandato consecutivo para chefes do Executivo, entre os quais o presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Nesse período também diversificou suas atividades empresariais tornando-se proprietário da Companhia de Rodeios Chico da Princesa, com atuação no norte pioneiro do Paraná.

Casou-se com Romilda Maria Beckert, com quem teve dois filhos.

 

FONTES: Deputados brasileiros (1995-1999, suplemento); Folha de S. Paulo (31/1/95, 14/1/96, 30/1/97, 5/2, 29/9, 10/10 e 6/11/98); http://www2.camara.gov.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.tse.gov.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.parana-online.com.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.folha.uol.com.br/ (último acesso em 12/12/2009); http://www.bonde.com.br/folhadelondrina/ (último acesso em 14/12/2009); http://www.vigilantesdademocracia.com.br/ (último acesso em 14/12/2009); http://congressoemfoco.ig.com.br (último acesso em 14/12/2009); http://www.congressoaberto.com.br (último acesso em 14/12/2009); http://www.transparencia.org.br/index.html (último acesso em 14/12/2009); http://www.chicodaprincesa.com/portal/ (último acesso em 14/12/2009).

 

 

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados