JOEL PRESIDIO DE FIGUEIREDO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PRESÍDIO, Joel
Nome Completo: JOEL PRESIDIO DE FIGUEIREDO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PRESÍDIO, JOEL

PRESÍDIO, Joel

*jornalista; rev. 1930; dep. fed. BA 1951-1955.

 

Joel Presídio de Figueiredo nasceu em Baixa Grande (BA) no dia 13 de julho de 1901, filho de José Presídio de Figueiredo e de Josefa de Sousa Figueiredo.

Fez seus estudos no Colégio Pedro II e no Liceu Salesiano, ambos em Salvador. Em 1929 aderiu à campanha da Aliança Liberal e participou ativamente da Revolução de 1930, que depôs o presidente Washington Luís.

Jornalista profissional, trabalhou em seu estado como secretário de O Jornal e redator e superintendente de A Tarde. Em abril de 1932, quando ocupava o cargo de redator-chefe do Diário da Bahia — periódico que desenvolvia sistemática campanha de oposição à interventoria de Juraci Magalhães —, foi preso, juntamente com os demais funcionários, na ocasião em que a sede do jornal foi invadida por investigadores policiais. Após ser libertado, deixou a Bahia e fixou residência no Rio de Janeiro, então capital da República. Em seguida tornou-se colaborador de diversos jornais cariocas, trabalhou como fiscal do Ministério do Trabalho, foi diretor da Agência Nacional e do Departamento Nacional de Informações, além de oficial-de-gabinete do secretário do Interior e Justiça do estado do Rio de Janeiro.

No pleito de janeiro de 1947 foi eleito deputado à Assembléia Constituinte da Bahia na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Participou dos trabalhos constituintes e, com a promulgação da nova Carta estadual, passou a exercer o mandato legislativo ordinário na Assembléia baiana, na qual chegou a ocupar a liderança de seu partido. Em outubro de 1950 foi eleito deputado federal pela Bahia, sempre na legenda do PTB. Deixando a Assembléia em janeiro de 1951, no mês seguinte ocupou uma cadeira na Câmara e aí tornou-se vice-líder da bancada do PTB a partir de março de 1952. Em outubro de 1954 tentou reeleger-se, agora na legenda da Aliança Republicana Cristã, constituída pelo Partido Republicano (PR) e o Partido Democrata Cristão (PDC), para o qual se transferira. Obtendo apenas uma suplência, deixou a Câmara em janeiro de 1955 e a ela não retornou durante essa legislatura. Em outubro de 1958 conseguiu uma nova suplência de deputado federal pela Bahia na legenda do PDC, não chegando a exercer mandato.

Foi ainda delegado da 1ª Central Policial da Bahia e secretário-geral do conselho consultivo da Companhia Siderúrgica Nacional. Filiado à Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais de seu estado, foi um dos fundadores da Associação Baiana de Imprensa.

Faleceu em Salvador no dia 4 de maio de 1962.

Foi casado com Eunice Bacelar de Figueiredo, com quem teve dois filhos.

Publicou O açúcar no Brasil; Seabra, o estadista ímpar da República; Rui jornalista; Filósofos de alpercatas, latinistas de chapéu de couro (folclore) e Discursos e palestras.

 

 

FONTES: AUDRÁ, A. Bancada; CÂM. DEP. Anais (1962-6); CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Relação dos dep.; CÂM. DEP. Relação nominal dos senhores; CISNEIROS, A. Parlamentares; COUTINHO, A. Brasil; Grande encic. Delta; SOC. BRAS. EXPANSÃO COMERCIAL. Quem; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (2, 3 e 4).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados