LICIO DA SILVA HAUER

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: HAUER, Lício
Nome Completo: LICIO DA SILVA HAUER

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
HAUER, LÍCIO

HAUER, Lício                      

*dep. fed. DF 1959-1960; dep. fed. GB 1960-1963.

 

Lício da Silva Hauer nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 9 de dezembro de 1919, filho de Júlio César Hauer, médico e jornalista, secretário da Procuradoria Geral da República por mais de dez anos nas décadas de 1940 e 1950, e de Ester Silva Hauer.

Empregado dos Correios desde 1939, em junho de 1943 foi nomeado, por concurso, funcionário do Tribunal de Contas da União (TCU) em Mato Grosso. Tornou-se delegado do TCU no estado, desempenhando o cargo até 1945. Transferido para Santa Catarina neste ano e para o Espírito Santo em 1947, voltou a morar no Rio de Janeiro em 1949, ainda ocupando o mesmo cargo.

Em 1951 bacharelou-se em direito pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, curso que havia iniciado em Santa Catarina e prosseguido no Espírito Santo.

Presidiu, em setembro de 1952, o I Congresso Nacional de Servidores Públicos, quando foi fundada a União Nacional dos Servidores Públicos do Brasil, da qual foi escolhido presidente. Em abril de 1958 fundou a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil e assumiu sua presidência.

Em outubro do mesmo ano, elegeu-se deputado federal na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) pelo então Distrito Federal. Dos três candidatos da cidade do Rio que receberam o apoio eleitoral do Partido Comunista Brasileiro — então Partido Comunista do Brasil (PCB) —, apenas Lício Hauer, com cerca de 16 mil votos, conseguiu eleger-se.

Para assumir o mandato, em fevereiro de 1959, licenciou-se do cargo de delegado do TCU e afastou-se da presidência da União Nacional dos Servidores Públicos do Brasil e da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil. Com a transferência da capital para Brasília, em abril de 1960, passou a representar na Câmara dos Deputados o estado da Guanabara. Em julho de 1961, Lício Hauer teve aprovado na Câmara o projeto de sua autoria que estabelecia a jornada de trabalho de 33 horas semanais para as repartições públicas federais. O projeto, contudo, foi rejeitado no Senado.

Vinculado à Frente Parlamentar Nacionalista, participou das campanhas promovidas por essa coligação suprapartidária, que reunia trabalhistas, socialistas e nacionalistas. Em outubro de 1962 candidatou-se à reeleição na legenda da Aliança Socialista Trabalhista, coligação do PTB com o Partido Socialista Brasileiro (PSB). No entanto, obteve apenas uma suplência, e deixou a Câmara ao final do mandato, em janeiro de 1963.

Após a vitória do movimento político-militar de 31 de março de 1964 que depôs o presidente João Goulart, teve seus direitos políticos suspensos por dez anos no dia 10 de junho, com base no Ato Institucional nº 1 (9/4/1964). Partiu então para a Iugoslávia com um grupo de exilados que incluía Almino Afonso, deputado federal e ministro do Trabalho de João Goulart em 1963, o jornalista Rubem Paiva e o deputado Luís Fernando Bocaiúva Cunha. Mudando-se depois para o Chile, durante o governo do presidente Eduardo Frei, Hauer participou da Corporación de la Reforma Agraria, juntamente com outros brasileiros, como Almino Afonso e o deputado federal Plínio de Arruda Sampaio. Com o golpe militar no Chile, em setembro de 1973, teve que abandonar o país, indo para a Suécia.

Após 15 anos de exílio, Lício Hauer retornou ao Brasil em meados de 1979, pouco antes de aprovada a Lei da Anistia (22/8/1979). No ano seguinte, trabalhou como assessor do deputado federal Alberto Goldman, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Nesta legenda, candidatou-se à Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro em novembro de 1982, mas não foi eleito.

De 1983 a 1985 presidiu a assessoria da Comissão de Justiça da Câmara de Vereadores. Entre 1985 e 1986, quando o prefeito do Rio era Roberto Saturnino Braga, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), foi chefe de gabinete do secretário de Desenvolvimento Social da Prefeitura, Maurício Azedo.

Afastado da política desde então, passou a viver da aposentadoria pelo tempo de serviço público, determinada pelo governo na época da sua cassação.

Foi casado com Iolanda Storni Hauer, com quem teve seis filhos, e mais tarde com Hélia Maciel Hauer, com quem teve quatro filhos.

FONTES: ARQ. DEP. PESQ. JORNAL DO BRASIL; CÂM. DEP. Deputados; CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1946-1967); CÂM. DEP. Relação; CHILCOTE, R. Brazilian; COUTINHO, A. Brasil; Estado de S. Paulo (5/9/62); INF. BIOG.; NÉRI, S. 16; TRIB. SUP. ELEIT. Dados (4 e 6); VÍTOR, M. Cinco.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados