NARCIO RODRIGUES DA SILVEIRA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: RODRIGUES, Narcio
Nome Completo: NARCIO RODRIGUES DA SILVEIRA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
RODRIGUES, NÁRCIO

RODRIGUES, Nárcio

*dep. fed. MG 1995, 1996, 1997, 1998, 1999-2003; 2003-2007; 2007-2011; 2013-.

 

Nárcio Rodrigues da Silveira nasceu em Frutal, na região do Triângulo Mineiro, no dia 23 de abril de 1959, filho de Sebastião Rodrigues da Silveira e de Sílvia Eulálio da Silveira.

Iniciou carreira no jornal Esquema, da cidade natal, como repórter e colunista (1977), e redator-chefe (1978). Fundador da Associação Cultural Paulo Martins Goulart (1980) e do Conselho Comunitário do Município (1981), mesmo sem concluir o curso de comunicação social iniciado nas Faculdades Integradas Santo Tomás de Aquino, de Uberaba (MG), ao longo dos dez anos seguintes criou e trabalhou em vários jornais do estado.

Co-editor e apresentador do programa Bom dia Triângulo, da TV Triângulo, afiliada da Rede Globo em Uberlândia (1988); entrevistador do programa Encontro com a imprensa, da TV Paranaíba, afiliada da Rede Bandeirantes (1989), além de diretor, apresentador e analista do programa TV debate, da memsa emissora (1992), filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), legenda pela qual concorreu a uma cadeira na Câmara dos Deputados no pleito de outubro de 1994, obtendo a terceira suplência.

Integrante do diretório regional do partido, em 22 de dezembro de 1995 assumiu o mandato na Câmara, substituindo Eduardo Barbosa, que tomara posse na Secretaria da Criança e do Adolescente do governador Eduardo Azeredo (1995-1998).

Titular das comissões de Agricultura e Política Rural, e de Educação, Cultura e Desporto, e suplente da Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, deixou a Câmara em 4 de junho de 1996, cedendo o lugar a Ademir Lucas, recém-saído da Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo. Em 12 de agosto ocupou a vaga de Maurício Campos, licenciado para chefiar a Secretaria da Indústria e Comércio.

Membro do diretório nacional do PSDB e secretário-geral da Frente Parlamentar do Cooperativismo, em janeiro de 1997 votou a favor da emenda constitucional que previa a reeleição de presidente da República, governadores e prefeitos. Voltou à suplência em 3 de fevereiro, mas apenas por quatro dias: tendo cedido a cadeira a Israel Pinheiro Filho, que se desligara da Secretaria de Transportes e Obras Públicas, substituiu o seu sucessor, Antônio Aureliano.

Em março, unido a um grupo de deputados federais “tucanos” intermediou o restabelecimento de negociações entre representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o ministro da Reforma Agrária, Raul Jungmann, interrompidas desde a intensificação das invasões de terras. Vice-líder do PSDB, propôs à comissão executiva do partido, em maio, a realização de um referendo popular que legitimasse a decisão da Câmara sobre a emenda da reeleição. Em junho, quando em virtude dos baixos salários eclodiu a greve dos soldados, cabos e suboficiais da Polícia Militar mineira, Nárcio solidarizou-se com o governador Eduardo Azevedo, que concedera um reajuste de 48,2%, manifestando-se contra o pronunciamento do ministro da Fazenda, Pedro Malan, que ameaçou não rever a dívida de Minas junto à União, condição indispensável ao atendimento da reivindicação. Nesta legislatura, foi vice-líder do PSDB e do bloco PSDB/PTB na Câmara e primeiro vice-presidente do PSDB de Minas Gerais.

No pleito de 2002, reelegeu-se deputado federal, sempre na legenda do PSDB, e tomou posse do cargo em fevereiro de 2003. Nesta legislatura, foi vice-líder do PSDB na Câmara dos Deputados e titular nas comissões permanentes de Agricultura e Política Rural; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, da qual foi também presidente e vice-presidente; de Trabalho, Administração e Serviço público; e de Viação e Transportes.

No pleito de 2006, elegeu-se novamente a uma vaga na Câmara dos Deputados, na legenda do PSDB, e tomou posse do cargo em fevereiro de 2007. Neste mandato, permaneceu na Comissão Permanente de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e foi ainda titular da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização; da Subcomissão Especial de Acompanhamento da Execução Orçamentária; da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Dívida Pública; e da CPI das Tarifas de Energia Elétrica.

Em novembro votou a favor da emenda constitucional que pôs fim à estabilidade dos servidores públicos.

Com o retorno de Eduardo Barbosa às funções legislativas, em 2 de abril de 1998, Nárcio Rodrigues reverteu à suplência. Em outubro elegeu-se deputado federal pela legenda do PSDB mineiro, iniciando o mandato em fevereiro de 1999.

Em Maio seguinte, posicionou-se favoravelmente à Lei de Responsabilidade Fiscal que estabelecia mecanismo de controle prévio para a execução dos orçamentos em todas as esferas da federação. 

No pleito de 2002, reelegeu-se deputado federal, sempre na legenda do PSDB, e tomou posse do cargo em fevereiro de 2003. Nesta legislatura, foi vice-líder do PSDB na Câmara dos Deputados e titular nas comissões permanentes de Agricultura e Política Rural; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, da qual foi também presidente e vice-presidente; de Trabalho, Administração e Serviço público; e de Viação e Transportes.

No pleito de 2006, elegeu-se novamente a uma vaga na Câmara dos Deputados, na legenda do PSDB, e tomou posse do cargo em fevereiro de 2007. Neste mandato, permaneceu na Comissão Permanente de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e foi ainda titular da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização; da Subcomissão Especial de Acompanhamento da Execução Orçamentária; da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Dívida Pública; e da CPI das Tarifas de Energia Elétrica.

Em Setembro, posicionou-se contrariamente à prorrogação, até 2011, da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), taxa cobrada sobre movimentações bancárias destinada à área de saúde e extinta no mesmo ano, depois que o Senado Federal não aprovou sua continuidade. Em novembro, votou a favor da emenda constitucional que pôs fim à estabilidade dos servidores públicos. E, em Junho de 2008, votou contra a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS), que, segundo a oposição ao governo Lula, da qual fazia parte, seria uma tentativa de recriar a CPMF. 

Reeleito em 2010 com mais de 100 mil votos, assumiu novo mandato, em sua quinta legislatura na Câmara, em Fevereiro de 2011. Logo em seguida, porém, licenciou-se do cargo para assumir o cargo de Secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado de Minas Gerais, a convite do então governador recém-empossado, Antonio Anastasia. 

Retornou ao Legislativo Federal apenas em Dezembro de 2013, quando retomou a titularidade na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI). 

Poeta, publicou Manifesto um (1978) e Uma ave ameaça a solidão de céu (1993).

Casado com Renata Henriques Heitor, teve dois filhos.


 

FONTES: Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/>. Acesso em 11/11/2009 e 12/03/2014; Folha de S. Paulo (30/01/1997 e 23/05/1997 e 05/02/1998); Jornal do Brasil (03/07/1997); O Globo (15/03/1997); Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/>. Acesso em 12/03/2014.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados