OLGA GUTMANN BENARIO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PRESTES, Olga Benário
Nome Completo: OLGA GUTMANN BENARIO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PRESTES, OLGA BENÁRIO

PRESTES, Olga Benário

*mov. comunista; rev. 1935.

 

Olga Gutmann Benário — que em sua atuação política usou os nomes de Olga Sinek, Eva Kruger, Maria Bergner Vilar, Olga Vilar, Ivone Vilar, Olga Meireles e Maria Prestes — nasceu em Munique, na Alemanha, em 1908, oriunda de uma família de judeus de classe média.

Membro do Partido Comunista Alemão, de 1926 a 1928 trabalhou na legação comercial da União Soviética, em Berlim, então capital da Alemanha. Em outubro de 1926, foi presa e processada por suas atividades políticas, sendo acusada de praticar crimes contra o Estado e a forma republicana de governo. Dois meses depois foi solta. Em 11 de abril de 1928, chefiou o grupo de assalto armado que retirou Otto Braun, líder comunista com quem vivia, da prisão. Em seguida viajou com Otto para Moscou, adotando nessa ocasião o nome de Olga Sinek, codinome que usou durante toda a sua estada na União Soviética. Em 1931, participou da Comissão Executiva da Juventude, em Paris, viajando com o nome de Eva Kruger. Ao voltar a Moscou, foi indicada para o Presidium do V Congresso da Juventude Comunista Internacional, realizado naquela capital.

Em 1934, Luís Carlos Prestes, revolucionário brasileiro que vivia na União Soviética desde 1931, foi designado para liderar um movimento revolucionário no Brasil, aí desembarcando em 11 de abril de 1935, com o nome de Antônio Vilar, cidadão português que viajava na companhia de sua esposa, Maria Bergner Vilar. Na verdade, sua mulher era Olga Benário, que fora enviada ao Brasil com a missão de cuidar da segurança de Prestes. Os dois se conheceram durante a viagem. De acordo com William Waack, em seu livro sobre os arquivos de Moscou, Olga era agente do serviço secreto militar soviético e fora recrutada em 1932 pelo IV Departamento do Estado-Maior do Exército Vermelho para exercer espionagem militar no estrangeiro.

Nessa ocasião, outros representantes do movimento comunista internacional, entre os quais o alemão Arthur Ernst Ewert, conhecido como Harry Berger, o argentino Rodolfo Ghioldi, Léon Jules Vallée e o norte-americano Victor Alan Baron já se encontravam no Brasil, enviados pelo Komintern para preparar uma revolução popular no país. Com esse objetivo, o PCB organizou e assumiu a liderança da Aliança Nacional Libertadora (ANL), frente antifascista e antiimperialista criada em março de 1935. Embora mantendo-se na clandestinidade ao lado de Prestes, Olga Benário participou ativamente da articulação e direção do movimento revolucionário, que culminaria com o levante de novembro de 1935.

Desencadeando uma violenta reação por parte do governo, a Revolta Comunista foi rapidamente reprimida. Olga Benário e Prestes permaneceram escondidos durante quase quatro meses até que, após intensas buscas, o casal foi preso pela polícia política numa casa situada na rua Honório nº 279, no subúrbio carioca do Méier. À tarde desse mesmo dia Olga foi conduzida ao cartório da Delegacia Auxiliar, onde prestou depoimento assumindo sua condição de mulher de Prestes, mas se recusando a fornecer quaisquer outras informações para não comprometer seu marido. Grávida, ficou presa nas dependências da Segurança Pública durante algum tempo e em seguida foi transferida para o pavilhão dos primários do presídio da rua Frei Caneca.

Segundo depoimento de Maria Morais Werneck de Castro ao jornal Voz da Unidade em 1981, alguns dias depois da prisão de Olga, como ela “estava sentindo muitas dores e como praticamente não existia atendimento adequado”, os presos fizeram um movimento para que ela fosse atendida e firmaram um acordo com as autoridades carcerárias para que fosse transportada a um hospital. No entanto, como relata Graciliano Ramos em seu livro Memórias do cárcere, “percebemos que Olga Prestes e Elisa Berger iam ser entregues à Gestapo... As mulheres resistiam, e perto os homens se desmandavam em terrível barulho. Tinham recebido aviso e daí o furioso protesto”. Assim, tal como sua companheira, em setembro de 1936 Olga Benário foi retirada da prisão e deportada para a Alemanha. Aí, numa prisão de mulheres em Berlim, nasceu, em novembro, sua filha, Anita Leocádia Prestes, que chegaria a pertencer na década de 1970 ao comitê central do PCB.

Olga Benário, após o resgate de sua filha pela avó paterna, dona Leocádia, em janeiro de 1938, foi transferida para várias prisões e campos de concentração. Morreu numa câmara de gás no campo de concentração de Bernburg, em abril de 1942.

Sobre sua vida foi publicada na República Democrática Alemã a obra Olga Benário. Die Geschichte eines Tapferen Lebens, de autoria de Ruth Werner. No Brasil, foi publicado o livro Olga, de Fernando Morais.

 

 

FONTES: LEVINE, R. Vargas; MORAIS, F. Olga; PEIXOTO, A. Getúlio; PORTO, E. Insurreição; RAMOS, G. Memórias; SILVA, H. 1935; SILVA, H. 1937.WAACK, W. Camaradas.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados