PIRES, MANUEL ARI DA SILVA

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: PIRES, Manuel Ari da Silva
Nome Completo: PIRES, MANUEL ARI DA SILVA

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
PIRES, MANUEL ARI DA SILVA

PIRES, Manuel Ari da Silva

*militar; rev. 1924; interv. MT 1937.

 

Manuel Ari da Silva Pires nasceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 10 de setembro de 1900, filho de Samuel Bempostense Pires.

Sentou praça em novembro de 1918, ingressando na Escola Militar do Realengo, em sua cidade, de onde saiu aspirante em janeiro de 1922. No mês seguinte foi designado para o 3º Batalhão de Caçadores (3º BC), em Vitória. Promovido a segundo-tenente em maio de 1922, em fevereiro do ano seguinte passou a servir no 6º Regimento de Infantaria (6º RI), em Caçapava (SP).

Em fevereiro de 1924 foi transferido para o 4º BC, em São Paulo, e recebeu a patente de primeiro-tenente. Em maio desse ano foi novamente transferido para o 6º RI. Com a adesão desse regimento à Revolta de 5 de Julho de 1924, integrou o grupo de rebeldes comandados por Isidoro Dias Lopes, que ocupou a capital paulista por três semanas, deslocando-se em seguida para o interior. Esse grupo fez junção em abril de 1925 com o contingente revolucionário que sublevara em outubro do ano anterior unidades militares no Rio Grande do Sul, constituindo a partir de então a Coluna Prestes.

Por sua participação nessa revolta foi imediatamente desligado do Exército. No período seguinte esteve exilado em Buenos Aires e preso na fortaleza de Santa Cruz, no Rio de Janeiro. Reintegrado em outubro de 1929, estabeleceu-se no Departamento de Guerra, no Rio de Janeiro. Após a Revolução de Outubro de 1930, permaneceu adido ao Departamento de Guerra até dezembro, quando entrou para a Polícia Militar. Serviu em comissão nessa corporação até fevereiro de 1931 e ainda nesse mês retornou ao Departamento de Guerra, aí exercendo a função de adjunto. Em dezembro de 1931 voltou à Polícia Militar do Rio de Janeiro, servindo em comissão na Força Militar em Niterói, então capital do estado do Rio.

Promovido a capitão em maio de 1932, a partir de abril do ano seguinte serviu no 1º RI, no Rio de Janeiro. Em março de 1934, quando deixou esse regimento, transferiu-se para a Escola de Infantaria, na qual permaneceu até dezembro. Voltou para o 1º RI em janeiro de 1935, e aí foi comandante de companhia até maio seguinte. Nesse mesmo mês foi transferido para a Escola Militar e, em março de 1936, passou para a Escola de Armas, aí exercendo a função de adjunto até fevereiro de 1937.

No mês seguinte tornou-se interventor federal em Mato Grosso, substituindo Mário Correia da Costa, afastado do cargo em virtude de um movimento liderado por Filinto Müller, após um atentado contra dois senadores ocorrido em dezembro anterior. Permaneceu no cargo até 4 de outubro de 1937, quando foi substituído por Júlio Müller, eleito pela Assembléia Legislativa mato-grossense.

Em fevereiro de 1938 passou a servir na 1ª Região Militar (1ª RM), sediada no Distrito Federal, como oficial do quadro suplementar. Promovido a major em março de 1940, de maio desse ano a setembro de 1941 comandou o 13º RI, em Ponta Grossa (PR). Em outubro de 1941 passou a servir na 1ª Divisão de Infantaria no Rio de Janeiro, que deixou em outubro do ano seguinte. Comandante do 3º RI, em Campos (RJ), de novembro de 1942 a agosto de 1944, em março do ano seguinte foi promovido a tenente-coronel. De novembro de 1945 a setembro de 1948, chefiou a 6ª Circunscrição de Recrutamento em Bauru (SP).

Foi adido ao Departamento de Pessoal do Exército de outubro de 1948 a dezembro de 1949 e ao quartel-general da 5ª RM, em Curitiba, de janeiro a outubro de 1950. Neste último mês passou a subcomandante do 20º RI, também em Curitiba. Promovido a coronel em maio de 1951, ainda nesse mês tornou-se subcomandante da 5ª Divisão de Infantaria e comandante da Guarnição de Ponta Grossa (PR). Em julho de 1951 passou para a reserva no posto de general-de-brigada.

Faleceu em Curitiba no dia 28 de julho de 1983.

Foi casado com Clio Marques Pires, com quem teve uma filha.

 

 

FONTES: ARQ. GETÚLIO VARGAS; ARQ. MIN. EXÉRC.; CARONE, E. República nova; CORRESP. GOV. EST. MT; Grande encic. Delta; Jornal do Brasil (29/7/83); MENDONÇA, R. História; MIN. GUERRA. Almanaque; PEIXOTO, A. Getúlio; POPPINO, R. Federal.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados