REDE SUSTENTABILIDADE

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: REDE SUSTENTABILIDADE
Nome Completo: REDE SUSTENTABILIDADE

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:

REDE SUSTENTABILIDADE

 

Partido político nacional oficialmente registrado em 22 de setembro de 2015, com o número 18.

 

Origens

 

A história do partido Rede Sustentabilidade está diretamente relacionada à trajetória política de sua primeira presidente, Marina Silva. Em 2010, a ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora candidatou-se a presidente nas eleição presidencial de 2010 pelo Partido Verde (PV), tendo recebido cerca de 19,6 milhões de votos e ficado na terceira colocação. Já com a intenção de formar um novo partido, em junho de 2011 desfiliou-se do PV.

No início de novembro de 2011, Marina criou o “Movimento por uma Nova Política”, com o objetivo declarado de incentivar discussões sobre novas formas de fazer política, sendo considerado um "embrião de um futuro partido". Nas eleições municipais de 2012, Marina declarou apoio a candidatos de diferentes partidos, como PT, PDT e PSB.

Fundação e efetivação do registro do partido

 

Em 16 de fevereiro de 2013, no Encontro Nacional da Rede Pró Partido, realizado em Brasília, ocorreu a fundação oficial do partido. Este evento recebeu o slogan de "Rede Pró-Partido" e estiveram presentes cerca de 1,5 mil pessoas. Nesse contexto, Marina já era anunciada como uma possível candidata pela Rede Sustentabilidade à presidência da República nas eleições de 2014, embora ela negasse que estivesse criando o partido apenas com este fim. No evento, Marina declarou que o futuro partido não seria "nem direita, nem esquerda, estamos à frente” Segundo ela, poderiam ocorrer alianças pontuais, mas era preciso ficar claro que se tratava de um partido diferente.

Em 26 de fevereiro de 2013, dez dias após sua fundação, o primeiro estatuto da Rede foi publicado no Diário Oficial da União. Os onze pontos considerados pela Rede como os principais de seu programa são: revisão do estatuto em dez anos; cláusulas inalteráveis, como defesa da dignidade, das minorias, da transparência, eficiência, da coisa pública e do bem comum; consultas permanentes às bases do partido no formato de plebiscitos; conselho político aberto à sociedade, não necessariamente composto por filiados; possibilidade apenas de uma reeleição para detentores de mandatos parlamentares, salvo em situações em que um plebiscito permitir o contrário; limite de doações de pessoas jurídicas em campanhas e vedação de doações de empresas de bebidas alcoólicas, agrotóxicos, armas e tabacos; transparência total online dos gastos durante a campanha eleitoral; utilização de redes sociais para dinâmica partidária; presença de um ouvidor do partido, com direito à realização de audiências públicas; cotas para negros e índios; e obrigação de que até 30% das candidaturas sejam "cívicas e independentes", de pessoas que não terão a obrigação de participar da dinâmica partidária, mas que tenham interesse em se candidatar.

O nome “Rede” foi escolhido por meio de sugestões feitas em fóruns da internet. Um pequeno grupo formado por apoiadores avaliaram as sugestões e escolheram a que consideravam o nome mais adequado. Segundo Marina Silva, “o nome que vamos registrar é Rede porque vamos ser uma rede que dialoga com diferentes setores da sociedade. ” O partido possui representação em todas as vinte e sete unidades federativas.

A Rede acreditava que até maio de 2013 seria possível alcançar as quinhentas mil assinaturas requeridas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que a Rede virasse oficialmente um partido e disputasse as eleições de 2014. Entretanto, no primeiro semestre de 2013, um projeto de lei defendido pelo governo visava inibir a criação de novos partidos no Brasil, já que parlamentares eleitos por outras agremiações partidárias não levariam consigo o tempo de rádio e televisão e o direito a uma parte maior do dinheiro do Fundo Partidário quando trocassem de partido. Durante a tramitação no Congresso, o projeto foi visto como “anti-Marina Silva”, em referência ao partido que a ex-senadora tentava formar. Após a aprovação pelo Senado Federal, a presidente Dilma Rousseff sancionou o PL 4470/12 no final de outubro de 2013.

Em 3 de outubro de 2013, o Tribunal Superior Eleitoral negou o registro ao partido com seis votos contrários e um a favor. Os ministros justiçaram a negativa, afirmando que a Rede não havia atingido o objetivo que a justiça eleitoral exigia de recolher 492 mil assinaturas, uma vez que muitas delas foram impugnadas pelos cartórios eleitorais. Faltaram outras 49 mil para atingir o mínimo exigido. O tribunal alterou o status do pedido de criação da legenda para em "diligência", permitindo que a Rede apresentasse mais assinaturas.

No início de novembro de 2014, a Rede Sustentabilidade voltou a coletar assinaturas com a meta de atingir novos cem mil apoios até o final daquele ano. Foram arregimentadas cerca de 498 mil assinaturas e, em 22 de setembro de 2015, o Partido Rede Sustentabilidade teve seu registro concedido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sendo o 34º partido do Brasil e apto a lançar candidatos para as eleições de 2016. Nesse pleito, o partido conseguiu eleger cinco prefeitos, 14 vice-prefeitos, cerca de 160 vereadores, e disputou cinco 2º turnos (incluindo aí a participação dos vice-prefeitos).

De acordo com o site do partido, “o resultado das urnas, embora não seja numericamente expressivo, faz com que seja reconhecida a importância de uma alternativa sustentável em um momento em que a intensa polarização e a retórica do voto útil dominaram a disputa pelas prefeituras nas grandes cidades brasileiras – tendo como casos expoentes São Paulo e Rio de Janeiro. ”

No contexto de discussões sobre a abertura do processo pelo afastamento da presidente Dilma Rousseff, o partido se posicionou a favor de tal medida. Em nota, destacou que havia elementos para esse processo, assim como para outro contra o então vice-presidente Michel Temer. Lembrou ainda que o partido abrigava opiniões diversas – o senador Randolfe Rodrigues e o deputado federal Alessando Molon foram contrários, enquanto o deputado Miro Teixeira discursou na Câmara em nome da Rede a favor do impeachment. Paralelamente aos debates sobre o afastamento, no ano de 2016 o partido engajou-se numa campanha por novas eleições presidenciais dada a crise política por que passava o país.

Em outubro de 2016, consolidada a saída da presidente Dilma, um grupo de intelectuais divulgou uma carta aberta à direção nacional do partido com críticas ao posicionamento deste, anunciando sua desfiliação. Luiz Eduardo Soares, Miriam Krenzinger, Marcos Rolim, Liszt Vieira, Tite Borges, Carla Rodrigues Duarte e Sonia Bernardes afirmam, no documento, que a sociedade brasileira não [sabia] o que [pensava] a Rede, nem [conseguia] situá-la no espectro político-ideológico. (...) A Rede tem se estruturado sobre um vazio de posicionamentos políticos. ”. Eles criticaram também a centralização das decisões na figura de Marina Silva, sem consulta aos demais membros e também a posição do partido de apoiar o impeachment de Dilma Rousseff.

 

 

FONTES: Portal Rede Sustentabilidade. Disponível em: <https://redesustentabilidade.org.br/>. Acesso em 06/03/2017; Portal G1. Disponível em: <http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/07/marina-silva-deixa-partido-verde-e-diz-que-vai-criar-novo-movimento.html>. Acesso em 06/03/2017; Portal Valor. Disponível em: <http://www.valor.com.br/politica/1099076/marina-silva-lanca-movimento-por-uma-%E2%80%9Cnova-politica%E2%80%9D-em-sp-no-sabado>. Acesso em 06/03/2017; Portal Extra. Disponível em: <http://extra.globo.com/noticias/brasil/veja-principais-pontos-do-programa-do-estatuto-do-partido-de-marina-7599120.html>. Acesso em 06/03/2017; Portal Folha de S. Paulo. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/09/1685146-tse-aprova-criacao-da-rede-sustentabilidade-de-marina-silva.shtml>. Acesso em 06/03/2017; Portal Último Segundo. Disponível em: <http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2013-02-16/partido-de-marina-silva-promete-ser-uma-legenda-pura.html>. Acesso em 06/03/2017; Portal UOL. Disponível em: <http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2016/03/08/marina-silva-reassume-como-porta-voz-da-rede-sustentabilidade>. Acesso em 06/03/2017; Portal do Tribunal Superior Eleitoral. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/partidos/partidos-politicos>. Acesso em 06/03/2017; Portal Congresso em Foco. Disponível em: <http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/veja-a-integra-da-lei-que-dificulta-criacao-de-partidos/>. Acesso em 06/03/2017; Portal O Povo. Disponível em: <http://www.opovo.com.br/app/opovo/politica/2013/02/18/noticiasjornalpolitica,3007496/marina-diz-que-rede-nao-e-esquerda-direita-situacao-nem-oposicao.shtml>. Acesso em 06/03/2017; Portal Estadão. Disponível em: <http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,com-marina--rede-lanca-campanha-por-novas-eleicoes,10000024705>. Acesso em 07/03/2017; Portal G1. Disponível em: <http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/04/rede-se-posiciona-favor-do-processo-de-impeachment-de-dilma.html>; Portal Veja: <http://veja.abril.com.br/politica/lideres-da-rede-anunciam-desfiliacao-e-criticam-marina/>. Acesso em 07/03/2017.

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados