RUBEM DA SILVA BENTO

Ajuda
Busca

Acervos
Tipo
Verbete

Detalhes

Nome: BENTO, Rubem
Nome Completo: RUBEM DA SILVA BENTO

Tipo: BIOGRAFICO


Texto Completo:
BENTO, RUBEM

BENTO, Rubem

*dep. fed. RR 1991-1995.

Rubem da Silva Bento nasceu em Bacabal (MA) no dia 5 de junho de 1942, filho de Rubens de Sousa Bento e de Maria Lídia da Silva Bento. Descendente de tradicional família na política de Roraima, é irmão de Barac da Silva Bento, prefeito de Boa Vista de 1989 a 1993.

Ingressou na Escola Técnica Sólon de Lucena, em Manaus, no ano de 1959, diplomando-se técnico em contabilidade em 1961. Exerceu a profissão de bancário de 1979 a 1984, tendo chegado a diretor do Banco de Roraima, em Boa Vista. Tornou-se em seguida diretor da Companhia de Desenvolvimento de Roraima, onde permaneceu até 1985, quando retornou à diretoria do Banco de Roraima e começou a atuar como secretário-geral do Partido da Frente Liberal (PFL) naquele território. Em 1987 voltou à direção da Companhia de Desenvolvimento até 1988, ano em que foi eleito, no pleito de novembro, vereador à Câmara Municipal de Boa Vista, na legenda do PFL. Em 1989, passou de secretário-geral a primeiro-vice-presidente do PFL de Roraima, tornando-se ainda líder do governo na Câmara. No ano seguinte, participou das comissões de Justiça e Redação, de Obras e Serviço Público, de Educação, Cultura, Saúde e Assistência Social, e de Defesa do Consumidor.

Nas eleições de outubro de 1990, concorreu na legenda do PFL a uma cadeira na Câmara dos Deputados já pelo novo estado de Roraima. Vitorioso nas urnas, concluiu seu mandato de vereador em janeiro de 1991 e, no mês seguinte, tomou posse como deputado federal. Ainda em 1991, atuou na Comissão de Educação, Cultura e Desportos e foi vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a Reforma Administrativa.

Na Câmara, em 29 de setembro de 1992, votou a favor da abertura do processo de impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, acusado de crime de responsabilidade por ligações com um esquema de corrupção liderado pelo ex-tesoureiro de sua campanha presidencial, Paulo César Farias. Collor foi afastado da presidência da República e, em 29 de dezembro, pouco antes da conclusão do processo pelo Senado Federal, renunciou ao mandato, sendo efetivado no cargo o vice Itamar Franco, que desde 2 de outubro vinha ocupando interinamente as funções.

Ainda nesta legislatura, Rubem Bento votou a favor da criação do Imposto Provisório sobre Movimentações Financeiras (IPMF), fixado em de 0,25% sobre as transações bancárias, como fonte complementar de recursos para a saúde, bem como do Fundo Social de Emergência (FSE), que permitia ao governo gastar 20% da arrecadação de impostos sem destiná-los obrigatoriamente aos setores de saúde e educação, mas se pronunciou contra o fim do voto obrigatório. Em janeiro de 1995, ao concluir seu mandato, deixou a Câmara dos Deputados.

Casou-se com Valbélia Nazaré Baraúna Bento, com quem teve quatro filhos.

FONTES: CÂM. DEP. Deputados brasileiros. Repertório (1991-1995); Folha de S. Paulo (18/9/94).

 

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados