Gláucia Kruse Villas Bôas

Entrevista

Gláucia Kruse Villas Bôas

Entrevista realizada no contexto do projeto “Cientistas sociais de países de Língua Portuguesa: histórias de vida”, com financiamento do Programa de Cooperação em matéria de Ciências Sociais para os países da comunidade de Língua Portuguesa (Programa Ciências Sociais CPLP) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O projeto teve vigência de dois anos (2008/2009). Para ter acesso à transcrição e ao vídeo da entrevista clique aqui.
Forma de Consulta:
Entrevista em texto disponível para download.
Entrevista em vídeo disponível na Sala de Consulta do CPDOC e trechos no portal.

Tipo de entrevista: História de vida
Entrevistador(es):
Helena Maria Bousquet Bomeny
Karina Kuschnir
Data: 26/6/2009 a 28/9/2009
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 3h34min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Gláucia Kruse Villas Bôas
Nascimento: 1/1/0001; Recife; PE; Brasil;

Formação: Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Estudou na Universidade Erlangen Nurnberg e doutorou-se em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1992).
Atividade: Professora do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Sociologia da Cultura.

Equipe


Transcrição: Julia Ribeiro Aguiar ;

Conferência da transcrição: Julia Lanzarini;

Técnico Gravação: Marco Dreer Buarque; Ítalo Rocha Viana;

Sumário: Paula Ramos Lousada Rocha;

Temas

Atividade acadêmica;
Ciência política;
Ciências Sociais;
Congressos e conferências;
Ensino superior;
Formação acadêmica;
Formação escolar;
Governos militares (1964-1985);
História de vida;
Intelectuais;
Intercâmbio cultural;
Maria Isaura Pereira de Queiros ;
Moçambique;
Movimento estudantil;
Partido Comunista do Brasil - PCdoB;
Repressão política;
Sociologia;
Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Sumário

1ª Entrevista: 26.06.2009

Arquivo em vídeo 1: Origens familiares; lembranças da infância em Recife; a mudança para o Rio de Janeiro; a formação escolar: os hábitos de leitura e a influência do pai; a opção pela Sociologia; a experiência de intercâmbio nos Estados Unidos da América durante o ensino médio; a volta ao Brasil e a opção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); comentários sobre a entrada na universidade e o ambiente universitário no final da década de 60; lembrança de professores; menção à filiação ao PCdoB em 1968; o envolvimento com o movimento estudantil; a dificuldade de concluir a graduação: transferência da UFRJ para a Universidade Federal Fluminense; a experiência de trabalhos em jornais, como O Globo; perspectivas de um estudante de Ciências Sociais da época (anos 60); a ida para Alemanha.

Arquivo em vídeo 2: as dificuldades de adaptação em Bochum e a mudança para Nuremberg; os estudos na Alemanha; a faculdade conservadora e o sistema de ensino da Universidade de Erlangen-Nuremberga; o tema do projeto de doutorado; a transição dos estudos da Alemanha para o Brasil; a volta para o Brasil em 1979; o doutorado e a orientação de Maria Isaura Pereira de Queiroz; a volta ao IFCS como professora; sua participação no grupo da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs); o interesse em uma sociologia dos intelectuais e a influência dos estudos na Alemanha; a vivência da pesquisa na Biblioteca Nacional; a filiação ao Partido Comunista do Brasil (PC do B); a repercussão do documentário Almir Mavignier. Memórias concretas (2006), sobre o pintor brasileiro Almir Mavignier; o interesse por Costa Pinto.


2 ª Entrevista: 28.09.2009

Arquivo em vídeo 1: O contato com as ciências sociais em países de língua portuguesa: Angola, Guiné Bissau, Cabo Verde e Moçambique; o “Projeto Moçambique”: a vinda de alunos deste país para estudar no IFCS; comentários acerca da situação de Moçambique no início dos anos 90; as diferenças entre as ciências sociais no Brasil e Moçambique; os alunos moçambicanos e a graduação no Brasil; a influência de Peter Fry no programa de intercâmbio; o início das relações com as ciências sociais dos países de língua portuguesa: a idéia de formação de uma Associação de Ciências Sociais de Países de Língua Portuguesa em 1996; o Congresso realizado no IFCS: a organização e seus resultados; a volta ao Instituto de Filosofia Ciências Sociais (IFCS) como professora na década de 80; o instituto nos tempos da ditadura ; o Programa de pós–graduação em Sociologia no IFCS; os projetos do Centro de Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que integravam a Sociologia e a Antropologia; opinião acerca da heterogeneidade das ciências políticas em comparação às demais ciências sociais; as diferenças entre fazer o doutorado na época da entrevistada e atualmente; a importância do doutorado; menção ao doutorado tardio da maioria das mulheres.

Arquivo em vídeo 2: Diferenças entre as ciências sociais em São Paulo e Rio de Janeiro ; a dificuldade de manter uma instituição acadêmica como o IFCS ; a construção do IFCS nos dias de hoje ; a experiência de presidir um grande congresso da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS); a discussão sobre o ensino das Ciências Sociais no ensino médio; a profissionalização das ciências sociais: questões referentes à licenciatura e pesquisa; avaliação das universidades e do ensino superior no Brasil; os estudos sobre Maria Isaura Pereira de Queiroz e a ideia de pesquisar o campo artístico carioca de 1950; o interesse pela figura emblemática de Maria Isaura e sua obra diferenciada; menção ao livro a ser publicado sobre esta última.

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados