Alex Ebinaldo Pereira Barboza (MV Bill)

Entrevista

Alex Ebinaldo Pereira Barboza (MV Bill)

Entrevista realizada no contexto do projeto “Memórias do Pronasci”, desenvolvido pela Fundação Getulio Vargas, através da FGV Projetos, em convênio com o Ministério da Justiça, entre agosto de 2008 e setembro de 2009. O projeto resultou na formação de um banco com cerca de 25h de entrevistas e um livro sobre o tema. O principal objetivo é registrar a memória das políticas públicas no Brasil contemporâneo, tomando por base experiências inovadoras da gestão do Estado. Está norteado por duas clivagens: o processo político (governo, agentes de segurança pública e representantes da sociedade civil - quem concebeu e/ou recebeu o Pronasci) e o processo técnico (o trabalho realizado pelo Ministério da Justiça e o monitoramento da FGV - ressaltando as técnicas e soluções empregadas). O entrevistado foi escolhido pela sua participação na comunicação do Pronasci. Indicado pelo Ministério da Justiça.
Forma de Consulta:
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: Segurança e cidadania: memórias do Pronasci: depoimentos ao Cpdoc/FGV/ Marieta de Moraes Ferreira e Ângela Britto (Orgs.).- Rio de Janeiro:Editora FGV, 2010.516p.:il.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Marieta de Moraes Ferreira
Angela Britto da Cunha
Data: 17/8/2009
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 1h1min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Alex Ebinaldo Pereira Barboza
Nascimento: 3/1/1974; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação:
Atividade: É um dos fundadores da ONG Central Única das Favelas (CUFA). Atualmente é o responsável pela base da CUFA na Cidade de Deus. É o autor, junto com Celso Athayde, do famoso livro e documentário Falcão - Meninos do Tráfico. Como escritor, é autor também do livro Cabeça de Porco, lançado em 2005 e co-escrito por Celso Athayde e Luiz Eduardo Soares.

Equipe


Pesquisa e elaboração do roteiro: Angela Britto da Cunha;Marieta de Moraes Ferreira;

Transcrição: Lia Carneiro da Cunha;

Conferência da transcrição: Angela Britto da Cunha;

Técnico Gravação: Roberto Jorge Carneiro de Souza Leão; Marco Dreer Buarque;

Sumário: Katherine Nunes de Azevedo;

Temas

Ação Social;
Assuntos familiares;
Brasil;
Cidadania;
Drogas;
Ensino fundamental;
Família;
Favela;
Formação escolar;
Juventude;
Menor carente;
Mulher;
Música;
Narcotráfico;
Obras de referência;
Obras literárias;
Polícia;
População;
Produção intelectual;
Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania;
Projetos sociais;
Religião;
Rio de Janeiro (cidade);
Serviços públicos;
Tarso Genro;
Viagens e visitas;

Sumário

Entrevista: 17/10/2009

Data e local de nascimento; primeiros estudos; o interesse pelo “hip hop” aos 14 anos de idade; a falta de apoio da família para que o entrevistado trabalhasse com música; o prazer de fazer música e letras com cunho político-social; origens familiares; a separação dos pais e a profissão exercida por eles; a religião da família: o candomblé; a homenagem às religiões no seu DVD intitulado “Despacho urbano”; lembranças sobre a vivência na escola primária situada na Cidade de Deus, Rio de Janeiro; a contestação da utilidade do que era ensinado na escola; o motivo para continuar morando na Cidade de Deus atualmente; o significado do seu nome artístico; os filmes e livros que inspiraram o entrevistado em suas composições; os problemas enfrentados no início da carreira; a explicação da diferença entre “funk” e “hip hop”: origem e trajetória dos estilos; comentários sobre o começo da sua carreira; o primeiro show ao lado da sua residência, na Cidade de Deus; as primeiras músicas tocadas na comunidade: “Geração Futuro”, “MV JT” e “Chacina”; os trabalhos desenvolvidos em concomitância a composição das músicas; os primeiros shows remunerados na década de 90; as viagens de divulgação da sua música em diferentes lugares do Brasil; a separação com a sua banda em 1993; a primeira compilação de “hip hop” feita no Rio de Janeiro, chamada “Tiro Inicial” e a sua participação no CD; os diferentes formatos de apresentação e a equipe que faz parte do seu show; a realização de músicas acompanhadas com violino (2002); o contato com Antônio Rodrigues, formado em música clássica; a sua participação na criação da Central Única de Favelas- Cufa junto com Celso Athayde e Negra Gisa (final da década de 90); a Cufa: um projeto social voltado para os jovens da comunidade; a parceria com alguns órgãos públicos para a realização do projeto; os cursos oferecidos à comunidade; a transformação da mensagem das músicas em projetos sociais; a satisfação pessoal por desenvolver trabalhos na comunidade com o seu investimento; as unidades da Cufa espalhadas pelo Brasil e pelo Rio de Janeiro; a diversidade de pessoas que acompanham o projeto; a valorização da figura da mãe na comunidade; a relação com o Ministro Tarso Genro e o apoio aos projetos desenvolvidos pelo Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania- Pronasci; a importância do projeto “Mulheres da Paz” desenvolvido pelo Pronasci; menção ao livro “Mulheres e o Tráfico” de autoria de Celso Athayde e do entrevistado; o estreitamento da relação de amizade com Tarso Genro e a participação no Pronasci; o seu papel na fiscalização dos programas sociais que estão sendo desenvolvidos pelo Pronasci; a melhoria dos serviços nas localidades carentes; a reação das pessoas que moram na Cidade de Deus com a entrada da polícia; o problema dos jovens que vão para o tráfico de drogas; as dificuldades econômicas e sociais enfrentadas pela população carente; a influência da família na vida dos jovens; a aposta do entrevistado de que os projetos desenvolvidos pelo Pronasci tenham sucesso; os estudos feitos até o primeiro grau e a continuidade dos estudos através de livros; a importância da leitura na vida do entrevistado; o lançamento de livros como forma de fomentar a leitura entre os jovens; os planos de continuar no meio musical e nos projetos..................................................................pp.403-420.


Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados