Ana Maria Rodrigues Manço

Entrevista

Ana Maria Rodrigues Manço

Entrevista realizada no contexto do projeto “Memórias do Pronasci”, desenvolvido pela Fundação Getulio Vargas, através da FGV Projetos, em convênio com o Ministério da Justiça, entre agosto de 2008 e setembro de 2009. O projeto resultou na formação de um banco com cerca de 25h de entrevistas e um livro sobre o tema. O principal objetivo é registrar a memória das políticas públicas no Brasil contemporâneo, tomando por base experiências inovadoras da gestão do Estado. Está norteado por duas clivagens: o processo político (governo, agentes de segurança pública e representantes da sociedade civil - quem concebeu e/ou recebeu o Pronasci) e o processo técnico (o trabalho realizado pelo Ministério da Justiça e o monitoramento da FGV - ressaltando as técnicas e soluções empregadas).
Forma de Consulta:
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: Segurança e cidadania: memórias do Pronasci: depoimentos ao Cpdoc/FGV/ Marieta de Moraes Ferreira e Ângela Britto (Orgs.).- Rio de Janeiro:Editora FGV, 2010.516p.:il.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Marieta de Moraes Ferreira
Angela Britto da Cunha
Data: 18/6/2009
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 1h30min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Ana Maria Rodrigues Manço
Nascimento: 11/3/1953; Rio de Janeiro; RJ; Brasil;

Formação: Foi professora, atualmente é educadora social e diretora Presidente da Ação Social.
Atividade: Diversas, o enfoque da entrevista é sobre a sua atividade como Mulher da Paz no Complexo do Alemão, no âmbito do PRONASCI.

Equipe

Levantamento de dados: Angela Britto da Cunha;Marieta de Moraes Ferreira;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Angela Britto da Cunha;Marieta de Moraes Ferreira;

Transcrição: Lia Carneiro da Cunha;

Conferência da transcrição: Angela Britto da Cunha;

Técnico Gravação: Marco Dreer Buarque;

Sumário: Katherine Nunes de Azevedo;

Temas

Ação Social;
Assuntos familiares;
Cidadania;
Família;
Favela;
Formação acadêmica;
Formação escolar;
Igreja;
Igrejas protestantes;
Justiça;
Juventude;
Ministério da Justiça;
Mulher;
Narcotráfico;
Partido Democrático Trabalhista - PDT;
Pensamento católico;
Política social;
Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania;
Projetos sociais;
Rio de Janeiro (cidade);
Saúde pública;
Segurança pública;
Serviços públicos;
Teologia;
Trajetória política;

Sumário

Entrevista: 18/6/2009

Origens familiares; explicações sobre seu pai e avó serem fundadores da Vila Cruzeiro, Rio de Janeiro; comentários sobre as suas raízes sociais; as aulas ministradas com 12 anos gratuitamente; a primeira aluna: sua avó Inês Cândida da Silva; o trabalho na creche Casulo com 25 anos de idade; a origem da Vila Cruzeiro; a infra-estrutura do local; a falta de postos de saúde no bairro; o trabalho do pai como estivador do Cais do Porto e a sua preferência pelo Partido Democrático Trabalhista-PDT; breve comentário sobre a candidatura da entrevistada para vereadora; a formação escolar em colégios católicos; trajetória acadêmica: a Faculdade Teológica Lemuel; a atuação na Assembléia de Deus; a importância da família na sua vida; comentários sobre a vivência com seus filhos; as redes sociais que se preocupam com os jovens da comunidade; a atuação nas redes desenvolvidas na comunidade; as reações positivas e negativas das pessoas frente aos trabalhos comunitários; o primeiro contato com o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania - Pronasci através do edital do Diário Oficial; a participação no projeto Guias Cívicos do Pan (2005); o encontro com o então secretário de Segurança Pública Luiz Fernando Corrêa (2005); a importância da interação entre a Justiça e a comunidade transformando ação em cidadania; as motivações para entrar no Projeto “Mulheres da Paz” e a quantidade de mulheres que fazem parte do programa; a ajuda aos jovens que estão com dificuldades; a continuação do projeto com as mulheres que tem motivação para fazer a diferença na comunidade; a relação de respeito entre os traficantes e os participantes do projeto “Mulheres da Paz”; os cursos mais procurados pelos jovens; o desejo da entrevistada de que os projetos sociais sejam contínuos...............................pp.421-428

Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados