Tarso Genro

Entrevista

Tarso Genro

Entrevista realizada no contexto do projeto "Memórias do Pronasci", desenvolvido pela Fundação Getulio Vargas, através da FGV Projetos, em convênio com o Ministério da Justiça, entre agosto de 2008 e setembro de 2009. O projeto resultou na formação de um banco com cerca de 25h de entrevistas e um livro sobre o tema. O principal objetivo é registrar a memória das políticas públicas no Brasil contemporâneo, tomando por base experiências inovadoras da gestão do Estado. Está norteado por duas clivagens: o processo político (governo, agentes de segurança pública e representantes da sociedade civil - quem concebeu e/ou recebeu o Pronasci) e o processo técnico (o trabalho realizado pelo Ministério da Justiça e o monitoramento da FGV - ressaltando as técnicas e soluções empregadas).
Forma de Consulta:
Entrevista publicada em livro.
Referência completa: "Segurança e cidadania: memórias do Pronasci: depoimentos ao Cpdoc/FGV". Marieta de Moraes Ferreira e Ângela Britto (Orgs.).Rio de Janeiro:Editora FGV, 2010.516p.:il.

Tipo de entrevista: Temática
Entrevistador(es):
Marieta de Moraes Ferreira
Angela Britto da Cunha
Data: 10/11/2008 a 6/1/2009
Local(ais):
Rio de Janeiro ; RJ ; Brasil

Duração: 3h8min

Dados biográficos do(s) entrevistado(s)

Nome completo: Tarso Fernando Herz Genro
Nascimento: 6/3/1947; São Borja; RS; Brasil;

Formação: Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Santa Maria (RS). Especializou-se em Direito Trabalhista.
Atividade: Titular da secretaria especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (2003). Ministro da Educação entre 2004 e 2005. Presidente Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em 2005. Ministro chefe da secretaria de relações institucionais da Presidência da República (2006). Ministro da Justiça (2006-2009)

Equipe

Levantamento de dados: Angela Britto da Cunha;
Pesquisa e elaboração do roteiro: Marieta de Moraes Ferreira;Angela Britto da Cunha;

Transcrição: Lia Carneiro da Cunha;

Conferência da transcrição: Angela Britto da Cunha;

Técnico Gravação: Marco Dreer Buarque; Fernando de Mello Cardenas;

Sumário: Lucas Andrade Sá Corrêa;

Temas

Assembleia Nacional Constituinte de 1987-1988;
Assuntos familiares;
Comunismo;
Crises políticas;
Desigualdade social;
Eleições;
Esquerda;
Exílio;
Fundação Getulio Vargas;
Governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003 - 2010);
João Goulart;
José Genoino;
Luiz Inácio Lula da Silva;
Márcio Thomas Bastos;
Marxismo;
Militância política;
Ministério da Educação;
Ministério da Justiça;
Movimento estudantil;
Participação política;
Partido Comunista do Brasil - PCdoB;
Partido dos Trabalhadores - PT;
Partido Trabalhista Brasileiro - PTB;
Política nacional;
Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania;
Programas sociais;
Redemocratização;
Rio de Janeiro (cidade);
Segurança pública;
Tarso Genro;
Tolerância religiosa;
Trajetória política;

Sumário

Entrevistas: 10/11/2008 e 6/1/2009

As origens familiares do entrevistado; a atividade política do pai, fundador do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e amigo de João Goulart; o início da militância política no movimento estudantil secundarista, aos quatorze anos; a entrada no movimento comunista, com a vinculação ao Partido Comunista do Brasil (PC do B); menção a fundação da “Ala Vermelha”, dissidência de esquerda, do PC do B; a defesa de uma “derrubada revolucionária armada do regime militar”; a eleição como vereador em Santa Maria e a renuncia ao cargo, durante o ano de 1968; a formação em direito, concluída em 1970; o exílio entre 1971 e 1972, no Uruguai; a fundação do Partido Revolucionário Comunista (PRC), com José Genoíno, formado por dissidentes do PC do B nos início dos anos 1980, existindo até 1989; as linhas teóricas do PRC, postura antistalisnista, influenciados por Ernst Bloch e Georg Lukács; a produção teórica do irmão, Adelmo Genro Filho; menção ao impacto da queda do muro de Berlim e da democratização nos movimentos de esquerda brasileiros; o ambiente de tolerância religiosa na família do entrevistado; menção à cassação do mandato de prefeito de Santa Maria, de seu pai, em 1964, pelo vínculo com Jango; o tempo passado na fazenda de João Goulart durante o exílio do entrevistado; a relação com o Partido dos Trabalhadores (PT) e a decisão por entrar no partido; a estrutura do PRC no Rio Grande do Sul; a atuação dos integrantes de origem do PRC, no PT, e a atuação de José Genoíno na Constituinte; a atuação como advogado e político; a entrada formal no PT, em 1989, a participação nas campanhas, atuando regionalmente; a atuação como coordenador de campanha em 1998, quando teve uma maior aproximação com Luiz Inácio Lula da Silva; a cogitação do nome do entrevistado para ser o candidato do PT à Presidência da República, em 1998; as eleições de 1998 como fator importante para a vitória de Lula em 2002; a passagem para uma atuação nacional no partido, a partir da coordenação da Frente Nacional de Prefeitos(1993 -1996), e da coordenação da campanha de 1998; as transformações ideológicas ocorridas, internacionalmente, entre 1988 e 1998, e como elas afetaram o PT; a importância da liderança de Luis Inácio Lula da Silva, na orientação do Partido dos Trabalhadores, para uma união com posições de “centro”; comentários acerca da época em que esteve a frente da prefeiturade Porto Alegre; o papel do entrevistado como Secretário do Conselho Especial do Desenvolvimento Econômico e Social; a atuação de Tarso Genro como Ministro da Educação; a importância da aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), durante sua gestão no Ministério da Educação; a crise do mensalão e as condições que possibilitaram a saída da crise; menção à atuação como Ministro das Relações Institucionais e como coordenador da formação da coalizão, garantindo a maioria governista no legislativo; comentários sobre como se dava a relação oficial entre o entrevistado e o presidente Lula; a importância do Rio de Janeiro enquanto “sujeito político”, na coordenação do governo Lula, retirando a exclusividade do diálogo entre São Paulo e Minas Gerais da cena política nacional; o convite para ocupar o Ministério da Justiça; os principais desafios enquanto Ministro da Justiça: a atuação na segurança pública, a reorganização da relação entre o ministério e a Política Federal, a organização de uma proposta de reforma política, a reorganização da Força Nacional de Segurança Pública; o desafio do planejamento e implementação do Programa Nacional Segurança Pública e Cidadania (Pronasci); os avanços na política de segurança pública do ministro Márcio Thomaz Bastos; a participação da Fundação Getúlio Vargas na elaboração e implementação do Pronasci; as transformações doutrinárias e contextuais que possibilitaram, ao PT, empreender uma política para a segurança pública que envolvesse ações policiais; a aprovação da lei do Pronasci e sua implementação em onze territórios iniciais; as condições para atuação do Pronasci nos estados; a implementação dos programas sociais ligados ao Pronasci, como o Mulheres da Paz e o Bolsa-Formação; as negociações internas ao governo e com a oposição para a implantação do Pronasci; as relações do Pronasci com o Rio de Janeiro; a importância da implementação de programas sociais como o Pronasci no Complexo do Alemão; o desafio das milícias e as particularidades da desigualdade social no Rio de Janeiro. .............pp.13-43.
Para enviar uma colaboração ou guardar este conteúdo em suas pesquisas clique aqui para fazer o login.

CPDOC | FGV • Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil
Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro - RJ - 22253-900 • Tels. (21) 3799.5676 / 3799.5677
Horário da sala de consulta: de segunda a sexta, de 9h às 16h30
© Copyright Fundação Getulio Vargas 2009. Todos os direitos reservados